uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Bombeiros de Castanheira do Ribatejo precisam de mais voluntários

Bombeiros de Castanheira do Ribatejo precisam de mais voluntários

Virgílio Anágua, presidente dos Bombeiros Voluntários de Castanheira do Ribatejo, alerta que a corporação precisa de mais pessoal, dinheiro e meios técnicos.

Edição de 16.08.2017 | Sociedade

A Associação de Bombeiros Voluntários da Castanheira do Ribatejo tem cerca de 40 bombeiros, 12 deles empregados e os restantes voluntários, mas muitas vezes não chegam para as encomendas. Este Verão tem sido anormal a nível de fogos florestais e a corporação já teve de ajudar outras nos incêndios da Ota e Abrantes e também recebeu ajuda de grupos de fora quando os fogos aconteceram mais perto de casa, porque a equipa com que conta não chega. “Ainda no sábado tínhamos as ambulâncias todas fora em serviço, tivemos um problema e teve de vir uma ambulância de Vila Franca de Xira ajudar”, conta Virgílio Anágua, presidente dos Bombeiros.
O problema está no facto de que nem todos os que querem podem ser bombeiros: “Hoje para se ser bombeiro tem de se ter o 12º ano. Quem só tem o 9º ano pode entrar se quiser, mas depois para ir às formações obrigatórias tem de ter o 12º ano, e como não pode frequentá-las, não passa da mesma posição. As pessoas podem andar a estagiar connosco se for preciso um, dois, três anos e depois fartam-se porque não conseguem ir para a frente e acaba-se por não conseguirmos manter os estagiários”. A cada ano, a corporação conta com um ou dois novos estagiários que quase nunca consegue manter após o final do estágio.
A solução? Para o presidente, seria a criação de um curso profissional para bombeiros, transformado num estágio dentro da corporação que durasse dois a três anos e que no final concedesse equivalência ao 12º ano. Virgílio alertou que são vários os familiares de membros da corporação que gostavam de se juntar a ela e que por não terem acabado o ensino obrigatório se vêem excluídos. 

Falta de fundos é o outro principal problema
O presidente lamenta também que muitos sócios não paguem a quota mensal de 1,5 euros. “Temos 1.200 sócios e se agora 250 pagarem já é dar o número por cima”. A associação vai promover uma campanha de angariação de sócios, porque, como acusou Virgílio Anágua, “muitas pessoas só se lembram dos bombeiros quando precisam e depois parece que passam ao lado”.
Outro dos maiores problemas é a falta de fundos para a manutenção dos veículos: “Hoje é preciso uma bateria, amanhã é uma bomba do gasóleo, no outro dia outra coisa. Temos alguns carros novos, é verdade, mas tanto esses como os antigos andam muito e a manutenção é complicada”.
Avisa, no entanto, que a cooperação da Câmara de Vila Franca de Xira é essencial: “A câmara tem-nos ajudado muito e às outras corporações do concelho. Ainda podia ajudar mais um bocadinho, mas aquilo que dá já é muito bom “. O ano passado doou à corporação uma ambulância ganha ao abrigo do Orçamento Participativo e até ao final do ano vai entregar mais um novo veículo de apoio logístico.

Bombeiros de Castanheira do Ribatejo precisam de mais voluntários

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...