uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Cães vadios estão a acabar com explorações de ovinos no Médio Tejo
VETERINÁRIO. Adérito Galvão (à esq.) a tratar ovelha na exploração atacada de Paulo Frade em Abrantes

Cães vadios estão a acabar com explorações de ovinos no Médio Tejo

O mais recente ataque aconteceu em Abrantes num terreno junto à PSP

Edição de 30.08.2017 | Sociedade

Os ataques recorrentes de cães vadios a pequenos rebanhos, nos concelhos de Abrantes, Sardoal e Constância têm desmotivado os pequenos produtores de ovinos destes concelhos do Médio Tejo, tendo alguns deles acabado com as explorações. Na sexta-feira,25 de Agosto, aconteceu mais um ataque de cães a uma exploração vedada no centro da cidade de Abrantes. O pequeno rebanho de Paulo Frade foi atacado e duas ovelhas foram mortas pelos cães. Paulo Frade apresentou queixa na PSP de Abrantes. O veterinário Adérito Galvão, do agrupamento de defesa sanitária de Abrantes e Constância foi chamado à propriedade para observar o rebanho.
Adérito Galvão disse a O MIRANTE que esta situação é recorrente em Abrantes, Sardoal e Santa Margarida, onde vários proprietários já acabaram com as explorações de ovinos por causa dos ataques dos cães e dos prejuízos, pelos quais ninguém se responsabiliza. Adérito Galvão revela que vários pequenos produtores de ovinos de Abrantes, Constância e Sardoal, com pequenas explorações de cerca de uma dúzia de ovelhas, decidiram acabar com a criação de animais por causa dos ataques dos cães e do prejuízo moral e económico que tal significava.
O veterinário do agrupamento de defesa sanitária de Abrantes e Constância referiu que muitos destes pequenos proprietários não apresentaram queixa às autoridades e recusam expor a situação porque consideram que tal facto ainda os poderia prejudicar. De acordo com Adérito Galvão, alguns pequenos proprietários confidenciaram-lhe que ainda pensaram em apresentar queixa mas foi-lhes comunicado que os cães só são considerados perigosos quando atacam pessoas. Quando o ataque visa outros animais, a situação é tratada como sendo uma coisa natural.
Neste cenário, Adérito Galvão acredita que as pequenas explorações de ovinos que complementavam a economia familiar de pequenos proprietários dos concelhos de Abrantes, Sardoal e Constância vão acabar gradualmente porque as pessoas não estão dispostas a expor os animais ao sofrimento dos ataques de cães. Os pequenos proprietários temem ainda que se apresentarem queixa contra os ataques dos cães vadios, a comunidade lhes aponte o dedo por estarem a exigir uma acção de força contra os cães.
O veterinário sublinha que o pendor actual é no sentido de proteger os cães contra qualquer forma de repressão e o facto de estes animais atacarem outros animais não é considerado grave, nem deve ser punido, visto que os caninos apenas seguem o seu instinto natural.

Cães vadios estão a acabar com explorações de ovinos no Médio Tejo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido