uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Café Central deve abrir até Outubro

Obras de recuperação do espaço que chegou a ser da autarquia recomeçaram após embargo

Edição de 30.08.2017 | Sociedade

Final de Setembro ou início de Outubro é a previsão do presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, para a reabertura do emblemático Café Central, no centro histórico de Santarém. O autarca confirma ainda que houve um embargo da obra mas agora já se encontra licenciada. O assunto foi espoletado pelo vereador do município, Celso Brás, na última reunião camarária, na segunda-feira, 28 de Agosto, questionando o autarca sobre a razão da paragem das obras.
O vereador Luís Farinha explica que as obras começaram a ser executadas ainda antes de terem sido licenciadas pelo município. Entretanto, a câmara detectou essa irregularidade e o novo proprietário teve de interromper as obras. Além disso, como o estabelecimento se situa no centro histórico da cidade foi necessário um parecer da Direcção Geral de Cultura. “Neste momento o problema está resolvido e as obras estão a avançar para que possam iniciar a sua actividade”.
Luís Farinha revela ainda que a intenção do proprietário é fazer algo diferente, acompanhando a oferta que tem surgido nos últimos anos, daí até terem estado à procura de um chef que garantisse essa qualidade, o que vê “com bons olhos”.
Recorde-se que a autarquia decidiu tomar de trespasse o Café Central em Abril do ano 2000 a troco de 60 mil contos (cerca de 300 mil euros), era então presidente da câmara o socialista José Miguel Noras. A intenção, na altura, foi evitar o encerramento do histórico estabelecimento da Rua Guilherme de Azevedo. Entretanto, houve duas concessões a privados que não resultaram: um dos concessionários terá levado parte do mobiliário, o outro fez obras sem autorização e, em ambos os casos, a autarquia ficou com rendas por receber.
A câmara farta de gartar dinheiro, decidiu em 2014 rescindir o contrato, pagando 70 mil euros.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido