uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Mesmo com sentimentos de luto cumpriu-se a bênção dos barcos avieiros
tradição. Apesar da tristeza a comunidade saiu à rua

Mesmo com sentimentos de luto cumpriu-se a bênção dos barcos avieiros

Nos últimos meses morreram vários elementos da comunidade avieira da Póvoa de Santa Iria, o que ensombrou a participação nas festas da cidade. Este ano registou-se um menor número de embarcações na água.

Edição de 06.09.2017 | Sociedade

As Festas da Póvoa de Santa Iria, que decorreram entre 31 de Agosto e 4 de Setembro, não seriam a mesma coisa sem a tradicional bênção dos barcos avieiros. E como a tradição tem de se cumprir, este ano a bênção ainda se fez, embora com o menor número de barcos na água de sempre, apenas 17, porque o ambiente era de luto. Nos últimos meses morreram quatro elementos da comunidade, que tem um acentuado espírito de grupo e a quem as perdas afectaram profundamente.
“As embarcações que ficaram encostadas são todas de familiares directos, irmãos, sobrinhos e primos dos avieiros. Morreu o Manuel Pedrosa, pai da minha cunhada Paula, em Março, morreu a minha cunhada Cristovalina no dia 2 de Junho, o Elviro Guerra foi sepultado terça-feira e esta madrugada morreu o José Carlos”, conta Fernando Barrinho, presidente da Associação Cultural dos Avieiros da Póvoa de Santa Iria, da qual todos os falecidos faziam parte.
“Éramos para estar aqui hoje todas fardadas e a desfilar mas não conseguimos, foi muita morte seguida”, confessa Paula da Silva, responsável pelo grupo de Marchas e Cantares das Mulheres Avieiras. “Mas é uma cerimónia religiosa e quando é assim entendemos que devemos participar, mesmo sem o brilho do costume”, justificou Fernando Barrinho.
A bênção contou, ainda assim, com 17 barcos na água e centenas de pessoas a assistirem, já que o bom tempo ajudou à cerimónia. Entre as pessoas que ficaram na margem do Tejo contaram-se povoenses e fortenses, residentes de outras áreas do concelho de Vila Franca de Xira e até pessoas de fora, como estrangeiros, que tiveram conhecimento do evento através do Facebook e quiseram assistir.
A Nossa Senhora dos Avieiros, padroeira da comunidade, foi levada em mãos até ao barco, tendo percorrido um trecho do rio para que o padre, à proa, pudesse benzer as embarcações por que passavam e de onde as famílias avieiras recebiam a benesse. No barco, além do padre e dos seus acompanhantes, seguiram elementos da comunidade política, representada pelos vereadores da Câmara de Vila Franca de Xira António Félix e Fátima Antunes, o presidente da União de Freguesias de Póvoa de Santa Iria e Forte da Casa, Jorge Ribeiro, acompanhado da mulher, e outros candidatos às próximas eleições.

Mesmo com sentimentos de luto cumpriu-se a bênção dos barcos avieiros

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...