uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Dificuldades económicas do Cartaxo não travaram investimento na qualidade de vida

Dificuldades económicas do Cartaxo não travaram investimento na qualidade de vida

O vinho, o Tejo, a ligação à A1 e a área empresarial Valleypark são trunfos valiosos

Edição de 13.09.2017 | Suplemento Viver no Ribatejo

Quando uma câmara municipal como a do Cartaxo, que passou os últimos quatro anos a trabalhar no equilíbrio das contas, decide pagar do seu orçamento obras na Unidade de Saúde Familiar de Valada, que eram da responsabilidade do Ministério da Saúde, isso diz muito da vontade que ali existe de proporcionar as melhores condições de vida à população do concelho.
E a essas obras há a juntar muitas outras que, sem serem obras de milhões, são obras de muitos milhares. Reparações na Escola Básica José Tagarro, no Cartaxo; na escola de Pontével e em inúmeras outras escolas e jardins-de-infância da rede pública em todo o concelho, por exemplo, ou trabalhos de remodelação e manutenção dos parques infantis.
A preocupação com a qualidade de vida dos cidadãos do Cartaxo estende-se à cultura, ao desporto, à segurança, às questões sociais. O Centro Cultural do Cartaxo tem uma programação regular de qualidade e recebe inúmeras iniciativas da responsabilidade de associações e escolas.
Os apoios a clubes e associações e as obras que estão a ser feitas para remodelação dos campos polidesportivos descobertos do Complexo Cultural e Desportivo da Quinta das Pratas, a par de obras já feitas nas piscinas municipais para repor as condições mínimas de utilização. Apesar de o município ainda não ter conseguido resolver todos os problemas financeiros, sendo dos que a nível nacional demoram mais tempo a pagar, tem mostrado credibilidade suficiente para conseguir que haja empresas a concorrer às obras postas a concurso.
Nos últimos quatro anos todo o investimento feito foi praticamente dirigido à melhoria dos equipamentos existentes para garantir que a população continua a beneficiar da sua utilização mas o Cartaxo não tem descurado a sua promoção, tanto a nível turístico como em termos de atracção de investimento.
O Museu Rural e do Vinho e o Projecto Cartaxo Capital do Vinho são a manifestação da ligação do concelho à cultura da vinha e à produção do vinho e com o incremento do turismo em Lisboa ganharam maior visibilidade e importância.
A Festa do Vinho propõe todos os anos uma viagem ao mundo dos vinhos, proporcionando o conhecimento e a descoberta das características dos néctares representados neste certame por um vasto leque de expositores. É o ponto de encontro entre produtores e apreciadores do vinho, mas também lugar onde convivem a gastronomia regional, a animação musical, os concursos ou a corrida de toiros.
Um outro evento que se destaca é a Feira de Todos os Santos, por ocasião do dia 1 de Novembro, que é uma das feiras tradicionais mais antigas do país. Os frutos secos, os produtos da época, o artesanato, a água-pé, os vinhos, a gastronomia e a animação atraem todos os anos milhares de visitantes.
Para além de ter uma posição de destaque a nível da produção de vinho da Região Demarcada do Tejo, o concelho do Cartaxo é marcado pela beleza dos campos agrícolas, em especial pela vinha, o que o torna mais atractivo.
A sua ligação ao Tejo, nomeadamente na zona de Valada, são importante factor de atracção de visitantes, tanto da região como da capital, dada a proximidade e a ligação por auto-estrada.
A construção da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Valada e Pontével, para além da melhoria em termos ambientais que introduz, cria melhores condições para a concretização do projecto turístico.
A nível de captação de novas empresas, com a consequente criação de riqueza e de emprego qualificado o Cartaxo tem como grande trunfo a Área de Localização Empresarial do Falcão – Valleypark, com uma área infraestruturada de 155 mil m2 e constituída por 63 lotes de 500 e de 1000m2, todos com possibilidade de emparcelamento, benefícia de localização de excelência no acesso a vias rodoviárias e é NUTS II para efeitos de fundos comunitários. Os lotes já estão a ser comercializados e com a melhoria da situação económica do país é certo que em breve o investimento feito venha a ter retorno.

Capital do Vinho à beira Tejo

O concelho do Cartaxo, localizado aproximadamente a 60 km de Lisboa, tem cerca de 24.500 habitantes (2011) e 158,2 km2 de extensão. Coberto por uma boa rede de estradas nacionais e municipais, o Cartaxo tem acesso directo à A1 e é ainda atravessado pelas linhas ferroviárias do Norte e Leste (situa-se no concelho o importante nó ferroviário do Setil). O Rio Tejo desenha-lhe ainda a fronteira a Sul com Salvaterra de Magos e oferece às embarcações de recreio o recuperado embarcadouro de Valada.
O Município do Cartaxo tem investido fortemente na rede de infra-estruturas e equipamentos que cobrem praticamente todas as áreas. O vinho é a marca de referência do concelho onde o rural e o urbano se harmonizam.

Dificuldades económicas do Cartaxo não travaram investimento na qualidade de vida

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido

    Destaques