uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Presidentes de câmara são eleitos por minorias de eleitores devido à abstenção

A gestão de alguns municípios foi legitimada por apenas um quinto dos recenseados. Nas autárquicas de há quatro anos a abstenção média no distrito de Santarém foi de 46,32% e houve concelhos em que não foram votar mais de metade dos recenseados. O resultado foi a eleição de presidentes de câmara por maiorias calculadas na base de... minorias de eleitores.

Edição de 21.09.2017 | Política

Em Salvaterra de Magos, concelho que em 2013 tinha 18.894 eleitores, o PS venceu as eleições com apenas 2.828 votos. Na prática isso significa que a gestão do município está mandatada por 14,96 por cento (%) dos cidadãos com direito a voto. Aquele concelho foi um dos três do distrito de Santarém onde a abstenção foi superior a 50 por cento, mais propriamente 54,3 %.
O concelho recordista em termos de abstenção foi Benavente. Ali a percentagem dos que optaram por não exercer o seu direito de votar foi de 59,07 %. Dos 22.965 eleitores inscritos nos cadernos eleitorais apenas votaram 9.399 e desses votos, 856 foram para o lixo. Uns por estarem em branco e outros por terem sido considerados nulos. Para conseguir uma significativa maioria absoluta (51,26%) a CDU só precisou dos votos de cerca de um quinto dos cidadãos recenseados (4.818).
No Entroncamento, onde estavam recenseados 17.263 eleitores, só foram votar 8.555. Aquele facto fez com que a maioria absoluta do PS tenha sido conseguida por apenas 3.590 votos, ou seja, só 20,79 % dos eleitores escolheram a actual maioria municipal.
Os efeitos da elevada abstenção acaba por fragilizar a autoridade de muitos presidentes eleitos. Na Chamusca, Paulo Queimado (PS) foi eleito numa lista que recebeu apenas 1.795 votos. No concelho tinham direito a voto 8.760 cidadãos. Na prática isso significa que o autarca que exerce legitimamente as suas funções, apenas foi mandatado por um quinto dos munícipes. A abstenção foi de 38,64%.
Nos concelhos de Ferreira do Zêzere e Mação, por exemplo, que têm menos eleitores que a Chamusca mas onde a abstenção foi menor, os presidentes de câmara precisaram de mais de 2.500 votos para serem eleitos.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...