Autárquicas 2017 | 04-10-2017 10:40

PSD de Santarém escapa ao descalabro nacional e reforça posições na câmara

PSD de Santarém escapa ao descalabro nacional e reforça posições na câmara

Ricardo Gonçalves obteve a ambicionada maioria absoluta. Socialista Rui Barreiro repete derrota de 2005 e CDU desaparece da vereação.

Há quatro anos o PSD não conseguiu a maioria absoluta na Câmara de Santarém por menos de uma mão cheia de votos e por isso não surpreendeu que na noite eleitoral de domingo ninguém quisesse mandar foguetes antes da festa. Se a vitória começou cedo a desenhar-se, a certeza da eleição de cinco elementos, que dá a maioria no executivo camarário de nove lugares (os restantes quatro são do PS), só chegou para lá das 23h00.
Para trás ficavam algumas horas de expectativa e nervosismo. Os membros do staff iam recolhendo, num espaço à parte, os resultados que iam chegando. As primeiras alegrias da noite foram para a conquista das juntas de freguesia de Alcanhões ao PS e da Póvoa da Isenta à CDU, apesar da perda de Abitureiras para o PS. E foi da Póvoa da Isenta que chegaram os primeiros sinais de festa, já perto das 22h00, com uma caravana automóvel liderada pelo novo presidente da junta, José João Pedro, que empunhava uma bandeira gigante do PSD.
Só para lá das 23h00 é que Ricardo Gonçalves chegou à sede de campanha, onde foi efusivamente felicitado pelos apoiantes que ali se encontravam, muitos deles há mais de três horas. Acompanhado pela esposa Vânia Neto e pela filha Beatriz, o presidente reeleito saudou os presentes e depois a festa atravessou a Rua 31 de Janeiro e dirigiu-se para o Jardim da República, onde tirou muitas fotografias com apoiantes ao som da música que ia sendo debitada pela aparelhagem improvisada ali instalada.
Já passava da meia-noite quando Ricardo Gonçalves subiu ao coreto para discursar aos apoiantes e dizer que se tratava de uma vitória da humildade e do trabalho, após uma campanha eleitoral feita pela positiva e “sem dizer mal de ninguém”. Não se esqueceu de agradecer a todos os que o apoiaram, desde a família aos membros das listas, actuais vereadores e ao núcleo duro que trabalhou na sombra durante a campanha.
O autarca dirigiu ainda algumas alfinetadas ao PS, recordando que o candidato do PSD que foi acusado de não ter peso político venceu, em duas eleições autárquicas sucessivas, dois antigos secretários de Estado de governos socialistas: Idália Serrão em 2013 e Rui Barreiro em 2017. “Acham que não tenho peso político, que sou um jovem da Azóia de Baixo, mas o jovem da Azóia ganhou a dois ex-secretários de Estado porque apresentou sempre os melhores projectos e as melhores pessoas e trabalha sempre com muita humildade”, disse perante muitos aplausos.

À MARGEM

Rui Barreiro repete fracasso de 2005

Rui Barreiro foi um dos grandes derrotados da noite em Santarém e o seu capital político ficou pelas ruas da amargura na capital de distrito depois desta segunda derrota frente ao PSD em eleições autárquicas – em 2005, quando era presidente do município, perdeu para Moita Flores a reeleição. Ainda presidente da concelhia do PS escalabitano, é muito provável que a sua oposição interna já tenha começado a contar espingardas com vista à sua substituição. Para muitos, Rui Barreiro já passou à história. Resta saber se o político natural do Vale de Santarém, que já foi secretário de Estado, lhes faz a vontade ou se vai continuar por aí.

CDU fora da câmara e do mapa das freguesias

À semelhança do que aconteceu no resto do país, a CDU teve uma noite eleitoral de domingo para esquecer no concelho de Santarém. A coligação liderada pelo PCP, que já teve grande representação no concelho, volta a não ter vereador na câmara e desapareceu do mapa de freguesias. Há uma dúzia de anos, a CDU governava sete freguesias mas o vermelho foi-se desbotando até se diluir completamente. A hora é de reflexão profunda na Praceta Pedro Escuro.

Gandarez muito longe de Ricardo

A noite era de festa para o PSD mas houve quem não se esquecesse das divergências internas em torno da elaboração das listas que chegaram a pôr em causa a recandidatura de Ricardo Gonçalves. Sanadas as quezílias e distribuídos os lugares nas listas, chegou agora o tempo de ler os resultados. E aí verifica-se que o presidente da concelhia do partido, José Gandarez, um dos principais críticos de Ricardo e número um à assembleia municipal, teve 10.607 votos, muito menos do que os 11.997 votos que obteve a lista para a câmara. Mesmo assim, o PSD subiu também a votação para a assembleia municipal e o número de eleitos, de 11 para 12. O PS mantém os 10, a CDU 3 e BE e CDS um cada um.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Médio Tejo