uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Plano para o turismo em Rio Maior aprovado por unanimidade após acesa discussão

Plano para o turismo em Rio Maior aprovado por unanimidade após acesa discussão

Durante o debate do ponto, os vereadores Lopes Candoso e Carlos Nazaré envolveram-se numa acalorada troca de galhardetes que não indiciava o consenso final.

Edição de 04.10.2017 | Sociedade

Tanto barulho para nada! Esta frase sintetiza na perfeição o que se passou durante a discussão do Plano Estratégico de Valorização Turística para o Município de Rio Maior na última reunião do executivo camarário, onde houve forte discussão entre vereadores até se chegar à aprovação, por unanimidade, do envio do documento para apreciação e aprovação da assembleia municipal. O que só irá acontecer já no próximo mandato.
O vereador Carlos Nazaré (PS) entendeu que o plano, pela sua importância, merecia mais reflexão e consenso e devia ser aprovado pelo próximo executivo camarário e não na última reunião de câmara do presente mandato. Augusto Figueiredo (CDU) também criticou a apresentação da proposta para votação no final do mandato, “quando o ano tem 365 dias e o mandato tem quatro anos”.
Essas intervenções suscitaram a reacção indignada do vereador Lopes Candoso (PSD), que acusou a oposição de estar muito “nervosa” e de não ter apresentado ideias e contributos para o plano quando foi chamada a participar. “Ideias zero!”, exclamou de olhos postos em Carlos Nazaré, que retorquiu igualmente em tom acalorado, rejeitando a acusação e afirmando que tanto ele como Augusto Figueiredo apresentaram sugestões. “Quando se diz que a oposição não deu contributos não se está a valorizar a oposição”, acusou.
O vice-presidente da câmara Carlos Frazão, que conduziu o processo e que está de saída do executivo, funcionou um pouco como mediador e lá foi explicando que foi dada a oportunidade de os vereadores darem os seus contributos. “Quem não fez foi porque não quis”. E questionou: “Há alguma lógica que um documento trabalhado e concluído neste mandato, discutido e com os contributos de diversas entidades, não ser aprovado por este executivo?”. Acrescentou ainda, puxando a brasa à sua sardinha: “Acho que deve haver respeito pelo trabalho feito pelos outros!”.
A presidente Isaura Morais (PSD) também não perdeu a oportunidade de ferrar umas alfinetadas ao vereador Daniel Pinto (PS), candidato desse partido à presidência do município, referindo que o mesmo não compareceu na reunião pública onde foi debatido o plano com vários parceiros e entidades ligadas ao sector do turismo, nem deu nenhum contributo para o mesmo. “Acho que é um acto justo e de respeito pelo trabalho feito neste mandato por quem teve essa competência delegada, que foi o vice-presidente Carlos Frazão”, afirmou a autarca, que se recusou a retirar o ponto da agenda.
Daniel Pinto respondeu dando os parabéns pela elaboração do documento e pelo trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos, de auscultação e de contactos com os agentes do sector. “Mas o mais importante é a prática”, sublinhou, manifestando o desejo que o município possa concretizar as intenções explanadas no plano estratégico.

Muitos projectos para os próximos cinco anos

O plano de acção organiza-se temporalmente num período de cinco anos de 2017-2021, de acordo com os seus dez eixos estratégicos e 52 subacções, apontando a potenciação de factores de atracção turística como as salinas, o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros ou o complexo desportivo da cidade, entre outros.
Entre os objectivos previstos estão: Desenvolvimento de uma estratégia e programa operacional de internacionalização e qualificação para a cidade de Rio Maior enquanto destino de Turismo Desportivo de Competição; Ampliação da oferta do Complexo Desportivo de Rio Maior a actividades desportivas em contexto de natureza; Desenvolvimento de uma candidatura para o estabelecimento de um Geoparque nas Serras de Aire e Candeeiros; Desenvolvimento de um centro para startups no domínio da animação desportiva em contexto outdoor; Ampliação do conceito de Ecomuseu das Salinas de Rio Maior; Certificação do Sal de Rio Maior; Projecto integrado de requalificação do espaço das Salinas de Rio Maior e área envolvente; Desenvolvimento de um programa de certificação para os produtos gastronómicos de Rio Maior; Desenvolvimento de um Living Forum para a Villa Romana de Rio Maior; Dinamização do roteiro literário Poeta Ruy Belo e Fundação António Quadros;Formação e qualificação dos ativos do tecido empresarial do turismo, hotelaria, restauração, animação turística, organizadores e promotores de eventos turísticos locais e Promoção do investimento e qualificação dos estabelecimentos de restauração.

Plano para o turismo em Rio Maior aprovado por unanimidade após acesa discussão

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido