uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Mais fumadores a procurarem os centros de saúde para largar o vício

Administração Regional de Saúde proporciona esse serviço em Alverca, Samora Correia, Póvoa de Santa Iria, Coruche, Santarém e Ourém.

Edição de 11.10.2017 | Sociedade

O número de pessoas que recorrem aos centros de saúde da região para deixar de fumar tem estado a aumentar, como confirmam os dados referentes a 2015 e 2016 divulgados no mês passado pela Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo.
No Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Estuário do Tejo foram realizadas 389 consultas no ano passado e 387 em 2015. No ACES Lezíria foram registadas 64 consultas no ano passado e 56 em 2015. Já no ACES Médio Tejo, só há dados de 2016, com 46 consultas proporcionadas.
Os dados referentes ao primeiro semeste deste ano, igualmente disponibilizados pela ARS de Lisboa e Vale do Tejo, reflectem a tendência de crescimento nos agrupamentos de centros de saúde que abrangem todo o distrito de Santarém (com excepção de Benavente): o ACES Médio Tejo proporcionou 102 consultas e o ACES Lezíria proporcionou 67, valores que superam já o total de consultas registadas em 2016. Já no ACES Estuário do Tejo foram realizadas, no primeiro semestre deste ano, 107 consultas de apoio intensivo à cessação tabágica, o que indicia uma redução da procura face a 2016.
Esse serviço não está acessível em todas as unidades de saúde. No ACES Estuário do Tejo há consultas nos centros de saúde de Alverca, Samora Correia e Póvoa de Santa Iria. No ACES Lezíria há consultas em Coruche e no Centro de Diagnóstico Pulmonar, em Santarém. No ACES Médio Tejo há consultas em Ourém.
A ARS de Lisboa e Vale do Tejo revela ainda a O MIRANTE que o número de locais de consulta tem vindo a crescer nos últimos anos. “Neste momento todos os ACES da ARS proporcionam estas consultas, podendo o utente ser referenciado pela unidade onde está inscrito. Apesar desta cobertura a 100%, o objectivo passa por continuar a reforçar esta resposta de proximidade”, informa a assessoria de comunicação da ARS.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...