uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
João Reis quer chegar longe na patinagem artística

João Reis quer chegar longe na patinagem artística

Jovem de 14 anos classificou-se recentemente em quarto lugar na Taça da Europa de Patinagem Artística ao serviço da selecção nacional. Atleta do Hóquei Clube de Santarém diz que o objectivo passa por chegar ao pódio nas próximas competições internacionais.

Edição de 16.11.2017 | Desporto

Lá em casa a playstation e a televisão há muito tempo que só são ligadas nas férias e João Reis, 14 anos, já se habituou a isso. A patinagem e os estudos ocupam grande parte do tempo do jovem patinador que recentemente ficou em quarto lugar na Taça da Europa de Patinagem Artística, que se realizou em Tomar. “Calcei os meus primeiros patins aos quatro anos e nunca mais os tirei”, confessa o atleta do Hóquei Clube de Santarém, que também praticou hóquei em patins.
João conta que começou a praticar patinagem artística por influência do seu pai e também treinador, Joaquim Reis. “Estava no hóquei e, um dia, o meu pai convidou-me para experimentar a patinagem com um amigo meu. Ele não quis mas eu fui”. Na altura, explica, “os meus colegas do hóquei ainda gozaram comigo porque estava na patinagem mas eles tinham era inveja porque estava rodeado de meninas”, brinca.
A treinar quatro dias por semana, duas horas por dia e com provas aos fins-de-semana, o atleta confessa que não tem sido fácil conciliar os treinos com a escola de tal forma que na hora de optar por uma das modalidades a escolha recaiu pela patinagem. “Do que mais gosto na patinagem é da adrenalina que não existe nem no futebol nem no basquetebol. Ali há velocidade”, admitiu o patinador enquanto se preparava para mais um treino orientado pelo pai.
E se o tempo para estudar é pouco, para se divertir é quase nenhum. “Normalmente, ou estou na escola ou estou no treino. Mas quando tenho tempo livre costumo ver televisão e jogar playstation com os meus amigos”. Além disso, conta, “ando sempre com uma raquete de ping-pong na mochila para poder jogar com os meus colegas nos intervalos da escola”.
João confessa que tem alguns cuidados especiais antes das provas. Começa logo pela alimentação. “Normalmente, como de tudo mas no dia da prova é que me controlo. Já viu se comesse muitos chocolates a dor de barriga que me dava?”. Depois são as lesões. “Até agora só me tenho lesionado ligeiramente, por isso basta parar um ou dois dias durante a semana para me recompor. E no treino antes da prova tento não arriscar muito”.
Com os olhos postos no futuro, o patinador acredita que o sucesso só se consegue a partir do esforço e só pensa em ser campeão. “Agora só falta ir ao pódio dos internacionais. Já fiquei em sexto, quinto, quarto, agora quero um primeiro lugar”, conclui.

Uma professora marcante

Há professores que marcam uma vida e O MIRANTE aproveitou para saber que professor mais marcou, até agora, o atleta que já passou pelas escolas EB1 das Fontaínhas, EB 2,3 Mem Ramires e a Escola Secundária Dr. Ginestal Machado. João Reis não tem dúvidas: de quem nunca se vai esquecer é da sua professora do 1.º ciclo, Mónica Franco. Para além de terem sido quatro anos com ela, “vão ficar sempre na minha memória os jogos, os trabalhos e até os ralhetes que dava”. Além disso, “sempre me apoiou para continuar tanto na patinagem como no hóquei”.

Pai é o costureiro

Costumam ser as mães que compram os patins e os fatos mas, na casa de João Reis, quem é o costureiro de serviço é o pai. “Sou eu quem faz os fatos todos do meu filho”, afirma, referindo que costuma criar primeiro o esboço no computador e só depois pergunta se o filho gosta ou não. No final, compra os tecidos, corta, cose. Para Joaquim Reis é muito mais fácil fazer os fatos dos meninos do que das meninas. “Enquanto os meninos mantêm sempre o mesmo modelo e quase sempre as mesmas cores (preto, azul e branco) para não parecerem ‘maricas’, os fatos das meninas podem ter vários desenhos e variar nas cores consoante o clube. A única coisa que todas têm em comum é a saia”, explica.

João Reis quer chegar longe na patinagem artística

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...