uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Porta-voz da Águas do Ribatejo incomoda câmaras donas da empresa
Moura de Campos o director-geral das Águas do Ribatejo tem ignorado o comportamento do funcionário que tem atacado sistematicamente o vice-presidente Carlos Coutinho

Porta-voz da Águas do Ribatejo incomoda câmaras donas da empresa

Opiniões de Nelson Lopes analisadas na assembleia-geral da empresa após passividade da administração

Edição de 23.11.2017 | Sociedade

O comportamento do responsável pela comunicação e porta-voz da Águas do Ribatejo, por alegadamente pôr em causa a imagem da empresa intermunicipal, que deve defender, está a incomodar vários presidentes das câmaras accionistas da empresa. As situações, que já se passaram há algum tempo, foram agora abordadas na última assembleia-geral da empresa de capitais unicamente públicos, perante a preocupação e desconforto de alguns autarcas relativamente a posições assumidas por Nelson Lopes.
A situação chegou à assembleia-geral, constituída pelos presidentes das câmaras de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos e Torres Novas, uma vez que o director-geral da empresa, Moura de Campos, não tomou qualquer posição até ao momento. Mesmo os presidentes de câmaras, confirmando o desconforto que têm sentido, estão a tratar o assunto com pinças, apesar de serem os donos da empresa. Até agora também nenhum se solidarizou publicamente com o presidente da Câmara de Benavente, Carlos Coutinho, que se sentiu desconfortável com algumas atitudes do funcionário, que também é o porta-voz da empresa.
Na assembleia-geral foram abordadas sobretudo duas situações que mais incomodaram alguns autarcas. Uma tem a ver com o facto de antes das eleições Nelson Lopes, candidato do PSD à Junta de Samora Correia, ter colocado na internet um vídeo a criticar umas obras numa rua da freguesia, que estava esburacada. Os trabalhos eram da responsabilidade da Águas do Ribatejo e ainda não estavam concluídos devido a alguns imprevistos, que eram do conhecimento do funcionário e candidato, segundo relataram alguns autarcas contactados por O MIRANTE. O caso não caiu bem a alguns presidentes de câmara, sobretudo a Carlos Coutinho, que já tinha desabafado com colegas que se sentia atacado há algum tempo.
A outra questão tem a ver com um incêndio ocorrido num lar de idosos, no início do ano, em Salvaterra de Magos, localidade onde está instalada a sede da empresa. Alguns autarcas, ouvidos por
O MIRANTE, não gostaram de ter visto Nelson Lopes no local e a colaborar com órgãos de comunicação social. O presidente de Benavente confirma que tanto esta situação como a do vídeo das obras está reportada internamente. Carlos Coutinho é parco em explicações mas confirma que “as coisas estão identificadas e que a seu tempo terão uma decisão”, acrescentando que não está a decorrer qualquer processo disciplinar.

Autarcas accionistas da empresa cautelosos
O presidente do conselho de administração da Águas do Ribatejo, Francisco Oliveira, autarca de Coruche, também não quer falar abertamente sobre o assunto, começando por dizer que se trata de “um processo interno da empresa” e que é “extemporâneo trazer o assunto para a ribalta pública”. Oliveira admite que se está a avaliar uma alegada “participação imprópria” do funcionário, “perante os relatos dos accionistas”, no sentido de perceber se há matéria para abrir inquérito ou processo disciplinar”.
Confrontado com o facto de ter cedido o seu lugar como vogal no conselho de administração à vereadora Catarina do Vale, para cumprir a legislação que obriga à presença de mulheres nestes cargos a partir de 2018, Carlos Coutinho diz que isso não teve a ver com o desconforto que tem sentido. “Era o que mais faltava que o presidente da Câmara de Benavente pusesse em causa a sua participação” por causa das questões relacionadas com o funcionário, que até vive na mesma terra que o autarca.
Admitindo sentir incómodo, Coutinho refere que “está sujeito à crítica, que aceita “quando esta é justa”. E, sem querer tecer mais comentários, salienta que nesta situação que envolve o funcionário, “a melhor resposta foi o resultado das eleições” para o candidato Nelson Lopes, que ficou em terceiro lugar com 18,65% dos votos.
Fazendo-se uma pesquisa no motor de busca Google, na internet, verifica-se que os vídeos e as intervenções de Nelson Lopes, bem como vários comentários nas redes sociais, desapareceram. O funcionário da empresa foi contactado por e-mail para dar a sua posição mas até ao fecho da edição não fez chegar qualquer resposta.

A carta aberta a Coutinho

Um dos ataques a Coutinho estão numa carta aberta de Nelson Lopes a criticar a opção de o autarca em reformar-se ao 45 anos, o que lhe é permitido por lei, não podendo acumular a pensão com o ordenado de presidente. O funcionário da empresa diz que não aproveitaria esta oportunidade porque se considera “um homem de princípios e valores”. Fazendo elogios ao anterior presidente da câmara, António José Ganhão, acusado pelo Ministério Público de corrupção e prevaricação, Nelson Lopes diz que em relação a Coutinho “os princípios defendidos pelo PCP ficam suspensos quando toca ao benefício pessoal”.

Porta-voz da Águas do Ribatejo incomoda câmaras donas da empresa

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido