uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Sem apoios não há colectividades que resistam

Alerta deixado por dirigentes associativos condecorados com a medalha de mérito municipal durante as comemorações do 202º aniversário da elevação do Cartaxo a concelho.

Edição de 13.12.2017 | Desporto

O presidente da direcção e coordenador técnico da Associação Escola de Atletismo Correr + do Cartaxo diz que as colectividades só conseguem sobreviver graças à sua capacidade constante de inventar meios. Por isso, Pedro Barbosa pede à câmara e às juntas de freguesias que “dêem um apoio efectivo às associações e ajudem especialmente a nível financeiro” pois, de outra forma, correm o risco de morrer.
O dirigente falava durante a sessão solene de comemoração do 202.º aniversário da elevação do Cartaxo a concelho que decorreu no domingo, 10 de Dezembro, no Centro Cultural da cidade. Uma cerimónia que se pautou pela emoção e por ovações calorosas dos vários jovens atletas da modalidade de atletismo que assistiam à sessão onde Pedro Barbosa e Mário Silva (atleta e treinador de altetismo da Casa do Povo de Pontével e do Inatel) foram distinguidos com a medalha de mérito municipal.
Da mesma opinião partilhou Mário Silva. O técnico de Pontével referiu que as colectividades vão vivendo, sobretudo, dos apoios inexcedíveis das empresas locais e também de um grupo de pessoas que fazem “tripa-coração” para as manterem vivas dedicando-se a elas de corpo e alma.
Já o presidente da Câmara do Cartaxo, Pedro Magalhães Ribeiro, teceu rasgados elogios aos medalhados da noite destacando não só a dedicação absoluta de Mário Silva e Pedro Barbosa ao atletismo mas também à sua disponibilidade e empenho na formação dos que estão a dar os primeiros passos no atletismo. No final aproveitou ainda para contar uma história que o marcou pela relação, quase de “pai e filho”, que Pedro Barbosa tinha com o atleta Rui Silva: “Lembro-me de, um dia, termos ido a correr para Lisboa porque o Rui Silva não queria competir numa final porque não se sentia confiante. Fomos e quando chegámos recordo-me da forma como o treinador Pedro Barbosa falou com o atleta e como conseguiu demovê-lo”.

Dois homens da formação

Mário Rato da Silva nasceu em Pontével a 11 de Março de 1953 e trabalhou ao longo da sua vida em prol do associativismo da sua terra. Esteve ligado à Casa do Povo de Pontével como atleta durante 36 anos e treinador de atletismo cerca de 35 anos. Já no Inatel, como atleta ocupou vários lugares no pódio a nível distrital e nacional e como treinador foi seleccionado diversas vezes para apoiar os atletas que representaram o distrito nos Olímpicos Jovens Nacionais. Integrou a Comissão de Obras do Grupo Desportivo de Pontével, que deu o primeiro passo para a construção das suas instalações actuais.
Pedro de Nazareth Barbosa começou a actividade desportiva com 11 anos, entrando em algumas provas de atletismo de carácter popular. Passou a treinador na Casa do Povo do Cartaxo até aos 16 anos, altura em que uma lesão grave o fez parar como atleta e iniciar-se como treinador. Foi quando formou o Grupo de Intervenção Desportiva e Cultural do Cartaxo (GIDEC) que começou a evidenciar-se, com os seus alunos a destacarem-se nas diversas disciplinas do atletismo. Fez parte também do Núcleo de Atletismo dos Escuteiros do Cartaxo (NAEC), da União Desportiva de Santarém, do Ateneu Artístico Cartaxense e do Estrela Futebol Clube Ouriquense, clube onde despontava o atleta Rui Silva que viria a ser campeão do mundo e medalhado olímpico por Portugal.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...