uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Morreu o último fundador da Feira do Ribatejo
João Gomes Moreira

Morreu o último fundador da Feira do Ribatejo

João Gomes Moreira partiu no dia 7 de Dezembro, aos 95 anos. Personalidade multifacetada, foi figura marcante e acarinhada em Santarém.

Edição de 13.12.2017 | Sociedade

Foi um dos braços direitos de Celestino Graça na criação da Feira do Ribatejo em Santarém e durante muitos anos viveu por dentro a organização do emblemático evento, que mais tarde viria a ter associada a designação Feira Nacional de Agricultura. Homem ligado à etnografia, às tradições e ao associativismo, João Gomes Moreira foi também um viajante entusiasta. Partiu no dia 7 de Dezembro, com 95 anos.
Como recordou em entrevista a
O MIRANTE, publicada a 5 de Junho de 2008, com Celestino Graça por perto não havia temor que resistisse. Foi por isso que não hesitou quando decidiu integrar a equipa que pôs de pé a primeira Feira do Ribatejo e ajudou a consolidar o evento. Homem multifacetado, espírito aberto e empreendedor, João Moreira era uma figura incontornável de Santarém, onde tem nome de rua, e foi um andarilho que palmilhou múltiplos caminhos.
Ajudou a fundar a Orquestra Típica Scalabitana, a Associação de Estudo e Defesa do Património de Santarém e o Núcleo Campista Scalabis. Nasceu no Beco das Cortezes, no centro histórico de Santarém. Entrou por direito próprio no rol estrito das figuras da cidade do século XX pelo seu dinamismo, pelo apego à cultura e às tradições, pelas suas andanças e viagens “abensonhadas”, pela jovialidade contagiante.
Teve formação católica e esteve ligado a várias organizações da igreja. Estudou até ao sétimo ano do liceu. Finalizados os estudos foi trabalhar para a Câmara de Santarém (1942), onde passou pela tesouraria e pela biblioteca municipal antes de rumar a Lisboa, em 1962, atraído pelo ordenado que lhe era oferecido por uma empresa de produtos farmacêuticos onde esteve até 1991. Nunca chegou a casar.Tocou diversos instrumentos, fez de palhaço, cantou, escreveu, foi actor. Colaborou em rádios e jornais. Foi guia-intérprete.
O campismo, o folclore e o turismo deram-lhe a oportunidade de correr mundo, da antiga União Soviética aos Estados Unidos da América, passando pela China e Tailândia. Só lhe faltou visitar a Austrália para colocar os pés nos cinco continentes.

Morreu o último fundador da Feira do Ribatejo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...