uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Guia de Portugal Ribatejo - Santarém

A água predomina na paisagem e na vida do Ribatejo. A imagem que ilustra a cascata dos Olhos de Água (Alviela) deixa-nos atónitos, pela dimensão e caudal. Também se percebe que o arvoredo tinha distinta opulência, provavelmente perdida para sempre. Em Santarém, é inequívoco o peso do património arquitetónico de cariz religioso.

Edição de 21.12.2017 | Opinião

Felizmente, vamos tendo umas Fundações que, muito para além de cumprirem o seu objeto social, enriquecem, e de que maneira, este país. No caso presente, a Fundação Calouste Gulbenkian reeditou o texto integral que reproduz a 1ª edição do Guia de Portugal pela Biblioteca Nacional de Lisboa em 1927. São oito deliciosos volumes que agora mesmo estão a preço de Natal. Todas as casas portuguesas deviam ter esta obra, um hino à nossa memória e identidade. Bem sabemos que para alguns, demais, “memória e identidade” é algo estranho e mesmo absurdo. Sobre o campino pode ler-se: “bem fariam os grandes lavradores ribatejanos se propagassem este trajo tão incomparavelmente colorido …”. Tem muito a ver com esta terra. Uma nota muito curiosa é sobre o comboio como estruturante da viagem e meio de transporte para conhecer Portugal; a referência a comboios rápidos, mistos e correio, bem como à 1ª e 2ª classes. A descrição, ao logo das centenas de páginas, é deliciosa e transporta-nos, com muita facilidade, para esse tempo. Como não podia deixar de ser, a água predomina na paisagem e na vida do Ribatejo. A imagem que ilustra a cascata dos Olhos de Água (Alviela) deixa-nos atónitos, pela dimensão e caudal. Também se percebe que o arvoredo tinha distinta opulência, provavelmente perdida para sempre. Em Santarém, é inequívoco o peso do património arquitetónico de cariz religioso. As excursões propostas a partir da capital ribatejana (Almeirim, Alpiarça, Alcanena, Chamusca, Torres Novas, Golegã, Entroncamento, Constância e Abrantes) dão-nos um fiel retrato destas terras, dos seus lugares e das suas gentes. A descrição dos lugares tem uma escala de grande proximidade, hoje inexistente. Muitas ilustrações e plantas enriquecem a obra. Por último, a título de exemplo: depois do Ribatejo segue-se o Médio Tejo, onde é possível ler a descrição e visitar todo o Tejo, lugares, vilas e aldeias. Guia de Portugal, um excelente presente de Natal para si e família, como eu fiz.
Carlos Cupeto
Universidade de Évora

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...