uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Mundo rural porque sim

O progresso do mundo rural faz-se considerando a existência do mundo urbano, estabelecendo com este as necessárias articulações funcionais e temáticas e, sobretudo, atribuindo valorização económica e objetivos de coesão territorial aos trunfos que o diferenciam do urbano”. Ou seja, é um caminho longo. Falta saber se há tempo para o fazer.

Edição de 28.12.2017 | Opinião

O mundo rural e o desenvolvimento económico e social de Portugal um desafio porque não há outro, porque sim. Consubstancia-se num estudo recentemente apresentado em Lisboa, o sítio certo para falar do campo. No que me toca, gosto muito mais da palavra “campo” do que da expressão “mundo rural”, opção que é muito mais do que uma mania pessoal, mas isso é outra história. A iniciativa nasceu há dois anos pela mão de quem sente o campo como deve, como uma mais-valia, um privilégio, isto é, a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, na pessoa do seu magnífico presidente, que sempre tem contrariado a convicção nacional de que o campo é um inaceitável e fatal beco sem saída entre o maravilhoso litoral urbano e Espanha, que atravessamos de noite para chegar à Europa. As dicotomias rural e urbano, interior e litoral, só fazem sentido a gente de vistas muito curtas. Muito para além da valia das alavancas apontadas pelo estudo como cruciais para uma agenda de futuro para o campo existe uma profunda convicção nas cabeças dos portugueses de que campo é sinónimo de pobreza. Enquanto assim for não há estudo que lhe valha. Seja como for, listam-se as quatro alavancas fundamentais: i. identidade e recursos endógenos (para atrair pessoas); ii. inovação e produção (para atrair empresas e riqueza); iii. turismo, cultura e património (internacionalização e consumo; e, finalmente, iv. sustentabilidade ambiental (valorização do capital natural). Irrepreensível. O problema, o verdadeiro desafio, é ultrapassar os profundos obstáculos enraizados no coletivo das cabeças portuguesas. Como se pode ler no documento, “o progresso do mundo rural faz-se considerando a existência do mundo urbano, estabelecendo com este as necessárias articulações funcionais e temáticas e, sobretudo, atribuindo valorização económica e objetivos de coesão territorial aos trunfos que o diferenciam do urbano”. Ou seja, é um caminho longo. Falta saber se há tempo para o fazer.
Carlos Cupeto
Universidade de Évora

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...