uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Ribatejo tem potencial para exportar 822 milhões de euros para Moçambique

Segundo estudo de mercado da Nersant para apoiar a internacionalização das empresas

Edição de 11.01.2018 | Economia

Um estudo de mercado, que a Associação Empresarial da Região de Santarém - Nersant elaborou sobre o potencial de exportação dos produtos do Ribatejo para Moçambique, conclui que esta região pode exportar 822 milhões de euros para este país africano. Neste momento as empresas da região estão a exportar cerca de quatro milhões de euros. Para Moçambique, foram identificados 75 produtos da região com potencial de exportação.
No âmbito do apoio à internacionalização das empresas da região do Ribatejo, a Nersant tem levado a cabo a elaboração de estudos de mercado para perceber o potencial de exportação, por categoria de produtos, da região do Ribatejo para diversos mercados. “Se compararmos este número (822 milhões) com o valor das exportações actuais para Moçambique, de quatro milhões de euros, conseguimos perceber que a região está muito aquém da sua capacidade”, refere a Nersant.
Segundo a associação empresarial, “embora no documento Portugal já seja um dos principais fornecedores em muitas das categorias de produtos, a verdade é que a região do Ribatejo tem subaproveitado esta oportunidade”. No estudo são também identificadas as diversas áreas de negócio do Ribatejo com maior potencial de exportação para Moçambique.
Dos 822 milhões de euros de potencial de exportação, existe uma área de negócio que se destaca e que ocupa quase 40% desta fatia. A área em destaque, aponta o estudo, diz respeito a “material de transporte”, com um total de 9 produtos que representam um mercado potencial de 314 milhões de euros, com destaque para os veículos para transporte de mercadorias, com um potencial de 177 milhões de euros.
O estudo identifica que sectores que trabalham com “máquinas e aparelhos, material eléctrico, e suas partes aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes e acessórios”, representam um potencial de mercado de 122 milhões de euros. Quanto aos “metais comuns e suas obras”, têm um potencial de mercado de 118 milhões de euros, donde se destacam as construções e suas partes de ferro, ferro fundido ou aço, com um potencial de mercado de 79 milhões de euros.
A secção das “indústrias alimentares, bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres, tabaco e seus sucedâneos manufacturados”, representam um valor de potencial de mercado de 83 milhões de euros, com destaque para as cervejas e os vinhos, com potencial de mercado acima dos 10 milhões de euros.
De referir que o estudo é apenas um dos documentos de apoio para este país que a Nersant tem ao dispor das empresas da região, uma vez que está também disponível documentação complementar sobre o país, relações económicas com Portugal, comércio externo e carácter fiscal, bem como informações importantes sobre o processo de exportação para aquele país.
Para além disso, o que acontece para o mercado de Moçambique, está também já realizado para um conjunto de outros mercados, tais como: Austrália, Chile, Colômbia, Gana, Marrocos, México, Polónia e Turquia. De referir que este é um trabalho da associação para apoiar a exportação das empresas da região do Ribatejo, realizado ao abrigo do projecto Exportintelligence.
As empresas interessadas em conhecer na íntegra estes estudos, devem solicitar os mesmos à Nersant, através dos contactos datic@nersant.pt ou 249 839 500.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...