uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Sons de Sempre regressaram ao palco onde tudo começou
Grupo de música tradicional portuguesa assinalou aniversário com espectáculo musical - foto O MIRANTE

Sons de Sempre regressaram ao palco onde tudo começou

Grupo de música tradicional portuguesa do Bom Sucesso, Alverca, assinalou três anos de actividade com um espectáculo.

Edição de 01.02.2018 | Cultura e Lazer

Três anos depois do primeiro concerto, Alberto Silva, Carlos Ferreira, Élia Rodrigues, Fernando Soares, Jaime Rodrigues, Joaquim Pires, José Lérias, José Noras, Madalena Pereira e Paula Cirilo voltaram a subir ao mesmo palco onde começou o grupo de música tradicional portuguesa Sons de Sempre: o Centro Cultural do Bom Sucesso, em Alverca, no concelho de Vila Franca de Xira. Foi na tarde de domingo, 28 de Janeiro.
A ideia partiu de Jaime e Élia Rodrigues, professores de música, que depois de 35 anos a tocarem juntos na banda Via Láctea deram início a um projecto musical diferente. “O Centro Cultural tinha a mesma ideia que nós e lançou-nos a proposta. Foi só acertar alguns pormenores e avançámos logo”, explicou Jaime Rodrigues a O MIRANTE.
Estudiosos da música, este casal aproveitou as recolhas etno-musicais portuguesas, feitas no século XX por Michel Giacometti, para produzir arranjos musicais e construir um repertório que represente a música tradicional portuguesa de todas as regiões. É Jaime Rodrigues quem compõe a maioria dos arranjos. Toca guitarra, bateria, baixo, cavaquinho, flauta e bandolim e aproveita o tempo livre para encontrar novas ideias para aumentar o repertório do grupo. “Quanto mais sujo estiver o som melhor para mim porque não tenho tendência em copiar sonoridades parecidas”, contou.
Para compor a banda lançaram o desafio a vários alunos, todos residentes no concelho de Vila Franca de Xira, e alguns deles “nascidos e criados no Bom Sucesso”. A forma de estar de cada um e o gosto pela música foram condições essenciais, mais importantes do que a mestria em tocar os instrumentos. Todos músicos amadores, reconhecem que têm um longo caminho a percorrer e muitas coisas a melhorar mas mostram grande satisfação pelo caminho já percorrido. Não tocam pelo dinheiro e não recebem cachê pelas actuações, sendo que a única ajuda que usufruem são os subsídios para ajudar nas deslocações para os concertos.
Durante uma hora, e perante um auditório completo, os “Sons de Sempre” fizeram uma viagem pelos sons tradicionais de todas as regiões de Portugal, começando pela ilha da Madeira e terminando no Algarve.
Antes, o grupo espanhol “El Brezo”, da região de Badajoz, deu um concerto para apresentar as músicas tradicionais da Estremadura espanhola no âmbito de um intercâmbio feito com o grupo português. A celebração terminou com o tradicional bolo de aniversário e um brinde com champanhe.
Para assinalar a ocasião esteve presente a vereadora Fátima Antunes (PS) e Joaquim Carreira (CDU), representante da União de Freguesias de Alverca do Ribatejo e Sobralinho.

Sons de Sempre regressaram ao palco onde tudo começou

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...