uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Boccia é um desporto para todos mas praticado por poucos
Jovens juntaram-se para descobrir a modalidade em Santarém

Boccia é um desporto para todos mas praticado por poucos

Modalidade é associada a idosos e pessoas portadoras de deficiência. Jovem estudante promoveu um torneio para desmistificar essas ideias feitas.

Edição de 01.03.2018 | Desporto

O boccia é um desporto muito associado a pessoas portadoras de deficiência e por essa razão ainda pouco conhecido e praticado. Para tentar contrariar esse cenário e provar que se trata de uma modalidade que pode ser praticada por todos, uma aluna do Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva da Escola Secundária Sá da Bandeira, em Santarém, decidiu organizar um torneio integrador e inclusivo, no âmbito do sua Prova de Aptidão Profissional.
No torneio, que se realizou na sexta-feira, 23 de Fevereiro, no pavilhão gimnodesportivo de Santarém, participaram treze alunos do 8º ano do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira, que defrontaram alunos da APPACDM de Santarém, com deficiências motoras, físicas ou mentais e idosos do grupo de boccia da Viver Santarém.
“A minha ideia foi promover a igualdade entre os jovens ditos normais e as pessoas com deficiência e os idosos”, explica Eliana Costa, 17 anos, acrescentando que o objectivo do torneio era que os alunos presentes na iniciativa percebessem que podiam jogar, e até ser derrotados, por uma pessoa portadora de deficiência. Admite que quando se dirigiu às turmas dos alunos de 8º ano, eles não se mostraram muito entusiasmados com a ideia mas acabaram por mudar de ideias quando fizeram o primeiro treino da modalidade.
José Dias, 33 anos, treina a equipa de boccia da APPACDM há dois anos e é da opinião que a prática dessa modalidade traz muitos benefícios não só aos seus alunos mas a toda a população, pois exige muita concentração e destreza. “O boccia é fácil de aprender mas tem regras muito complexas. Jogar é fácil mas jogar bem é muito difícil”, garante José.
Para o treinador, actividades como esta são fundamentais para desmistificar a ideia de que se trata de um desporto destinado a pessoas com deficiência, considerando que seria uma mais valia para as escolas juntarem este desporto ao programa de Educação Física.
E não é o único que assim pensa. Também Tiago Simões, 38 anos, está confiante que esta actividade vai ajudar a que as pessoas deixem de ter uma ideia errada acerca deste desporto. “Com esta actividade conseguimos juntar pessoas que em condições normais não juntávamos”.
Tiago é técnico superior de Desporto da empresa municipal Viver Santarém e coordenador do projecto sénior para a actividade física para a terceira idade. Explica que o grupo de boccia, composto por 12 elementos, nasceu há cerca de três anos. “Começámos com apenas dois elementos mas temos vindo a crescer”. Admite que este não é um desporto fácil, porque exige muita perícia. Para Tiago os principais benefícios são o aumento da concentração, da coordenação, da disciplina, assim como o espirito de grupo.

Alunos preferem desportos com mais acção
Este torneio de boccia não foi suficiente para mudar as opiniões de todos os que tiveram presentes, como é o caso de Teresa Henriques, 17 anos, que esteve a ajudar a colega Eliana durante a Prova de Aptidão Profissional. A jovem admite que esta não é uma modalidade que gostaria de praticar, vendo o boccia ainda como um desporto adaptado, sendo da opinião que juntar esta modalidade aos programas de Educação Física das escolas não iria trazer quaisquer mais valias. “Não é um desporto muito complexo em que se possa desenvolver muitas habilidades”, opina.
Para o professor de Educação Física da Escola João II, Nuno Queirós, de 38 anos, este tipo de desporto não é muito apelativo para os seus alunos, que preferem outro tipo de actividades. “Ao início acham o jogo é engraçado, mas os alunos chegam a um ponto em que perdem o interesse, preferindo desportos com mais acção”.
Também o seu colega, Eugénio Mano, 57 anos, partilha da mesma opinião. Este professor de Educação Física da Escola Sá da Bandeira reconhece ainda que a falta de material nas escolas para a prática de boccia e a falta de promoção deste desporto são razões para não ser muito conhecido pelos jovens.

Modalidade está ao alcance de todos

Um jogo de precisão

Boccia é um desporto jogado entre duas equipas. Cada uma tem direito a seis bolas na modalidade trio, quatro bolas na modalidade de duplas - duas para cada atleta -, e quatro também na modalidade individual. Consiste em lançar bolas e situá-las o mais perto possível de uma bola pequena, previamente lançada. O adversário, por sua vez, tentará situar as suas bolas mais perto ainda da bola pequena, ou afastar as bolas dos seus adversários.

Boccia é um desporto para todos mas praticado por poucos

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido

    Destaques