uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Já há projecto para a Escola Maria Lamas, agora venham as obras

Instalações da escola secundária de Torres Novas têm diversos problemas, detectados há muito. A requalificação já está prevista há quase uma década.

Edição de 08.03.2018 | Sociedade

A Câmara de Torres Novas apresentou esta quarta-feira, 7 de Março, já depois do fecho desta edição, o projecto de requalificação da Escola Secundária Maria Lamas, nessa cidade. A obra está orçada em um milhão e duzentos mil euros e visa resolver problemas há muito detectados, como os que envolvem o edifício mais recente, que tem problemas estruturais e esteve para ser demolido.
Na manhã de 28 de Fevereiro, uma placa de esferovite do tecto de uma sala de aula desse edifício caiu numa altura em que a sala estava vazia. A informação foi confirmada a O MIRANTE por fonte da escola, que adiantou que o facto não condicionou o normal funcionamento das aulas.
Tal como O MIRANTE foi noticiando ao longo desta década, o edifício mais recente da ES Maria Lamas, construído em 2002 e que custou cerca de um milhão de euros, apresenta várias fissuras que causam infiltrações de água sempre que chove. Em 2009, depois de um estudo do Ministério da Educação, concluiu-se que o edifício apresentava várias anomalias na sua construção e que deveria ser demolido, prevendo-se também a requalificação das instalações mais antigas, datadas de 1954. Mas até à data nada disso aconteceu.
Entretanto, a 23 de Setembro de 2016, a Câmara Municipal de Torres Novas e o Ministério da Educação assinaram um protocolo de colaboração que prevê o investimento na requalificação da Escola Secundária Maria Lamas. O município torrejano vai apoiar financeiramente as obras na escola num valor de 75 mil euros, apesar de se trata de um equipamento da responsabilidade da administração central.
O contrato-programa com o Ministério da Educação prevê que “o Município de Torres Novas suportará o montante remanescente da contrapartida pública nacional, estimado em 75.000 euros, correspondente a 7,5% do custo estimado da empreitada e a metade da contrapartida pública nacional (...)”. O grosso da despesa será assegurado pela União Europeia.
A intervenção na Maria Lamas chegou a estar prevista na terceira fase do Projecto da Parque Escolar, no início desta década, mas entretanto optou-se pela não demolição do edifício mais recente e sim pela sua reabilitação, o que obrigou à reformulação do projecto inicial.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido