uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Marina Marques

Marina Marques

Administrativa / Assistente Dentária Clínica “Domus Salutem” - Rossio ao Sul do Tejo, 41 anos

Edição de 05.04.2018 | Agora Falo Eu

Se vir alguém deitar lixo para o chão diz-lhe alguma coisa? Sim. Detesto ver lixo no chão.

Qual a tradição que nunca podemos deixar morrer? Já fui mais de tradições. Não me ocorre nenhuma assim tão importante.

Qual foi a sua maior extravagância? A compra de umas botas bastante caras mas que ainda duram. Valeram o dinheiro que dei por elas.

Qual é o seu maior defeito? Teimosia. Não desisto facilmente.

Qual o objecto que nunca fica em casa? A chave do carro.

Alguma vez deu sangue? Não. Nunca dei sangue.

O que tem que fazer um homem para ser homem? Ser verdadeiro, mesmo que isso não lhe seja favorável.

Sente que seria capaz de ser uma boa primeiro-ministro? Nunca pensei nisso. Sou pouco de políticas.

De quantas horas de sono precisa para acordar bem disposta? Entre sete e oito.

Sente-se livre?

É impossível sentir-me completamente livre. Há sempre qualquer coisa a controlar-nos. Quando não é o relógio é o telemóvel. No entanto somos nós que fazemos essas escolhas.

O que seria para si uma tragédia? Para mim, seria uma tragédia perdermos a Humanidade que nos resta e que já não é muita.

Já se sente à vontade a escrever com o novo Acordo Ortográfico? Nem por isso, já com o antigo tinha problemas.

Gostaria de viver numa cidade sem semáforos nem sinais de trânsito? Nunca ponderei isso mas creio que não.

Subscrevia uma proposta para termos outro hino nacional? Não. Gosto do que temos.

Tem alguma tatuagem ou já pensou em fazer uma? Não tenho tatuagens e, não quero fazer nenhuma.

Alguma vez pediu o livro de reclamações? Nunca.

Durante quanto tempo é capaz de guardar um segredo? O tempo que for necessário.

Como é um dia bem passado? Um dia bem passado é a cuidar da minha bicharada, a ler e a conviver com os que me são mais queridos.

Sabe algum refrão de uma cantiga do Quim Barreiros? Que me recorde não.

Quando está a almoçar ou a jantar com a família ou amigos e há alguém que passa o tempo a consultar o telemóvel isso incomoda-a? Sim. É uma falta de respeito pelos presentes.

Devia haver mulheres a arbitrar jogos de futebol da Primeira Liga? Nunca pensei nisso. Não vejo futebol.

Com que idade é que acha que se vai reformar? Será que vai haver essa hipótese?...

Acha possível virmos a sofrer atentados terroristas como os que acontecem noutros países? É provável podermos sofrer atentados como os que ocorreram noutros países. Os terroristas não olham a nada.

Lê as notícias em jornais ou prefere a internet? Não tenho preferência.

Em quantas localidades viveu até agora, desde que nasceu? Já vivi em cinco localidades diferentes por circunstâncias da vida. Tudo tem um lado bom e um lado mau. Só temos que saber valorizar o que nos serve melhor.

O que é que lhe provoca um sono irresistível? Enervar-me com alguma coisa ou com alguém.

Consegue perceber tudo o que está escrito num contrato de um seguro ou de um empréstimo bancário, por exemplo? E tenta lê-los, ou limita-se a assinar e a esperar que tudo corra bem? Tento compreender mas já me aconteceu assinar sem estar bem esclarecida.

Se lhe oferecessem bilhetes para a Ópera ia ver mesmo que fosse obrigatório usar vestido de noite? Sim. Cultura é sempre importante, independentemente da forma como temos que nos vestir.

Marina Marques

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...