uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

GNR suspeito de apropriar-se de dinheiro do posto de Salvaterra de Magos

Comando tem inquérito a decorrer e transferiu preventivamente o militar

Edição de 12.04.2018 | Sociedade

O comando territorial de Santarém da GNR está a investigar o desaparecimento de dinheiro do posto de Salvaterra de Magos. O comando apenas confirma que foi aberto um inquérito interno para apurar o que se passou. O MIRANTE apurou que há um suspeito, militar no posto há pelo menos uma década, que foi transferido preventivamente para outra unidade, enquanto decorrem as investigações. Em causa estão cerca de dois mil euros, que numa avaliação às contas foram detectados como estando em falta e que respeitam a pelo menos três anos.
Segundo O MIRANTE conseguiu confirmar, o comando esteve há cerca de três meses a verificar as contas de pagamentos feitos por cidadãos directamente no posto, após indícios que levantaram suspeita e que tinham a ver com o facto de existirem facturas, mas as mesmas não terem sido pagas. Estas facturas estão relacionadas com o fornecimento de certidões pedidas por cidadãos, sobretudo relacionadas com autos e relatórios de acidentes de viação. A regra na GNR é que este tipo de serviço é pago na hora contra entrega dos documentos.
O militar da Guarda alvo do inquérito, foi transferido para outro serviço fora de Salvaterra de Magos e está a exercer funções nas equipas da Escola Segura. Quando a situação foi detectada o militar em causa foi transferido pelo período de três meses, medida essa que foi renovada há poucos dias por mais três meses, uma vez que o inquérito ainda não está terminado. Com esta medida preventiva, o suspeito deixou de fazer escalas de serviço e não trabalha aos fins-de-semana.
Esta não é a primeira vez que há uma situação de desvio de dinheiro por parte de responsáveis pela área dos processos de acidentes de viação. Em 2012 um militar do destacamento de Santarém, que prestava serviço na secretaria, foi constituído arguido, acusado de peculato e falsificação de documentos, por apropriar-se de 7.667 euros no período entre Março de 2008 e Julho de 2012. Depois de ter sido suspenso de funções foi definitivamente afastado de serviço, passando à reserva.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...