uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Granada encontrada junto a habitações em Torres Novas

Engenho foi encontrado nas traseiras de um prédio sito na Rua do Jogo da Bola. Situação causou grande curiosidade entre a vizinhança.

Edição de 12.04.2018 | Sociedade

Os moradores da Rua do Jogo da Bola, em Torres Novas, foram surpreendidos por um grande aparato policial junto às suas habitações na quinta-feira, 5 de Abril. Uma situação derivada do facto de ter sido encontrada uma granada nas traseiras de um prédio. A granada M/62 de instrução de 1964, que depois se veio a constatar que não apresentava perigo de rebentamento por estar inerte, foi encontrada por um homem que estava a limpar o terreno. As autoridades vedaram a rua e mandaram os moradores fecharem as janelas e manterem-se dentro das habitações. O engenho foi desactivado pela equipa de Inactivação de Explosivos e Segurança em Subsolo da PSP, sediada em Leiria. A situação ficou normalizada e a abertura da rua fez-se passada uma hora e meia de ter sido dado o alerta.
Maria do Céu Lopes, moradora na rua que se situa perto da Escola Secundária Maria Lamas, diz não ter receado a granada. “Foi uma vizinha que me alertou para a situação. Depois vim logo aqui ver, mas não tive medo”. O mesmo aconteceu a Delfina Jorge, moradora na zona, que mal soube do aparato foi logo ver o que se passava. “Estava à janela à espera a ver quando traziam o meu carro que estava na oficina quando vi a polícia e fiquei curiosa. Vim bisbilhotar e dei com as autoridades a deslocarem-se até ao muro”, conta a moradora de 51 anos.
Quem também assistiu à desactivação do dispositivo foi Fernando Martins. A residir nessa rua há 47 anos, o morador explica que foi um vizinho reformado da vida militar que confirmou que o objecto estranho era uma granada, aconselhando o trabalhador que a encontrou a deixá-la em cima do muro até chegarem as autoridades. Para Fernando Martins o mais provável é o dispositivo ter sido deixado naquele local por um morador que ali residiu há muitos anos e que fazia parte do Exército. “É a única explicação que encontro”, diz.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...