uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Hospitais esperam aumento do número de camas perante dificuldades de espaço

Administração regional de saúde quer mais vagas mas ainda não se sabe como se vai fazer

Edição de 12.04.2018 | Sociedade

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) pretende aumentar o número de camas nos hospitais desta região, mas o Hospital Vila Franca de Xira e os quatro hospitais do distrito de Santarém ainda não sabem se têm condições para responderem a esta determinação. Ao todo pretende-se aumentar mais 278 camas, para um total de 8149, até Setembro. Os hospitais de Santarém e do Centro Hospitalar do Médio Tejo (que agrega as undidades de Abrantes, Tomar e Torres Novas) não sabem quantas camas para doentes agudos vão conseguir aumentar, aguardando por indicações da (ARSLVT), sendo certo que o espaço não estica por decreto.
De acordo com uma portaria sobre a reestruturação da Rede de Cuidados de Saúde, publicada recentemente, pretende-se “promover o ajustamento das lotações dos hospitais e centros hospitalares da respectiva região, aumentando a capacidade de resposta na Medicina Interna, sem comprometer a disponibilidade ao nível das especialidades cirúrgicas, atento o objectivo de cumprimento dos tempos máximos de resposta garantidos.
O administrador do Hospital de Santarém, José Josué, em declarações a
O MIRANTE, refere que está disponível para fazer um trabalho conjunto com a ARSLVT, “para o qual o Hospital de Santarém não deixará de dar o seu contributo, que passará por definir o número e depois reorganizar espaços de acordo com a nova realidade”. O Centro Hospitalar do Médio Tejo considera que ainda é prematuro falar sobre o assunto. O Hospital Vila Franca de Xira aumentou há pouco tempo o número de camas de 278 para 313 e muito dificilmente conseguirá aumentar muito mais.
Esta medida da administração regional de saúde tem a ver com o facto de alguns doentes passarem mais tempo internados. “Mais recentemente vem-se acentuando a tendência para se agravar a dificuldade em dar alta aos doentes internados (sobretudo os mais idosos) em hospitais e em camas integrantes da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, facto que, aliado ao aumento de procura dos serviços de urgência, tem resultado em aumento das taxas de ocupação”, justifica a ARSLVT.
Esta realidade tem efeitos significativos sobre o número de camas disponíveis em serviços como os de Medicina Interna: “em 2017 havia, em todos os hospitais da ARSLVT, 1.580 camas de Medicina Interna que representavam 20% da lotação total de hospitais da região”. A ARSLVT deve também elaborar até Setembro, em conjunto com os hospitais, um “plano de medidas concretas e quantificadas” que contribua para a criação de, pelo menos, seis centros de responsabilidade integrados.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...