uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Soraia  Marques Pereira 
Soraia Marques Pereira Assistente de consultório no Centro de Reabilitação do Nabão, 28 anos, Tomar

Soraia  Marques Pereira 

Assistente de consultório no Centro de Reabilitação do Nabão, 28 anos, Tomar

Edição de 17.05.2018 | Agora Falo Eu

Tem medo das alturas ou qualquer outra fobia? Medo de alturas não diria, apenas receio. Mas tenho fobia a cobras.

Já visitou algum museu da região? Já visitei o Museu dos Fósforos e a Sinagoga, entre outros. Para os tomarense são lugares de visita obrigatórios.

Alguma vez deu sangue? É ingrato da minha parte mas nunca dei. É uma situação em que ainda não estou muito à vontade.

Tem algum familiar internado num lar de terceira idade? E consegue arranjar tempo para o visitar regularmente? A minha querida avó está num lar e visito-a regularmente. Tem 91 anos e eu venho sempre de coração cheio por ver que fica muito feliz com as minhas visitas.

Costuma ter ciúmes? Alguns. Acho que é um sentimento saudável se for moderado. Faz parte, em dose q.b., de uma boa relação.

Ir comprar roupa ou sapatos dá-lhe prazer? E gosta de fazer essas compras sozinha ou acompanhada? Adoro botas, sapatilhas.... Na maior parte das vezes vou com o meu namorado porque gosto de saber a sua opinião. Ele é o meu maior crítico.

Se vir alguém deitar lixo para o chão diz-lhe alguma coisa? É uma acção que já não vejo regularmente. Mas se visse alguém deitar lixo para o chão provavelmente não lhe dizia nada. O mais certo era ser eu a apanhar o lixo para deitar no sítio adequado.

Sabe algum refrão de uma cantiga do Quim Barreiros? Claro que sim. Como estudante que fui, o Quim era dos mais desejados em noites académicas. ‘A Garagem da Vizinha’, ‘A Cabritinha’, entre outros, eram temas que todos cantávamos.

Como gostaria de ser recordada? Gostaria de ser recordada como a pessoa que penso que sou. Alegre, boa amiga, boa companheira, boa filha e acima de tudo uma pessoa feliz que gozou o melhor que a vida lhe tinha para dar.

Joga no Euromilhões ou noutro jogo da Santa Casa da Misericórdia? Sim, adoro jogar no Placard. Confesso que sofro com os resultados, mas é um vício saudável que vou mantendo.

Já apanhou alguma multa de trânsito? Felizmente ainda não. Sou cuidadosa nesse aspecto e tento não infringir a lei.

Costuma assistir a touradas ao vivo? Na minha infância sim mas actualmente já não. Não é um espectáculo que aprecie.

Sabe o nome do seu médico de família? Sei o nome da minha médica de família mas felizmente há alguns meses que não a vejo.

Já foi vítima de alguma burla? Não, nunca fui. Todas as compras que faço, pela internet principalmente, são sempre através de métodos de pagamento fiáveis.

Tem alguma tatuagem ou já pensou em fazer uma? Não tenho tatuagens mas gostava muito. Aquele receio de agulhas e da possível dor tem-me feito adiar.

Concorda com os que dizem que o homem inventou as cidades para se proteger da natureza? Sim, mas quando a Natureza se pronuncia da pior forma nenhuma construção humana consegue evitar catástrofes como as que se têm verificado.

Já lhe aconteceu segurar uma porta para alguém passar, por exemplo e a pessoa passar sem olhar para si nem lhe agradecer? Já me aconteceu e eu não disse nada mas fiquei a pensar. A boa educação cabe em todo o lado e um obrigado ou até mesmo um olhar de agradecimento pela simpatia da acção são sempre bem vindos.

O que gostava de ter sido em termos profissionais? Gostaria de ter sido jornalista e acho que ainda vou a tempo. Há sempre essa possibilidade. A vida ainda tem tanto para me dar.

Pagar 5 ou 6 euros por mil litros de água potável, como acontece aqui na região, é justo? Penso que o acesso a água potável deveria ser um bem com um preço baixo mas a escassez deste recurso tão precioso tem que ser controlada.

Alguma vez foi a Fátima a pé? Nunca fui. O ano passado era para ir mas devido a um problema de saúde não me foi possível. É uma meta ainda a ser cumprida.

Gostaria de ter vivido noutra época? Em qual? Tenho admiração pelos tempos do império romano. O vestuário, a cultura, os palácios. Era uma civilização altamente desenvolvida mas não trocava esses tempos pelos actuais.

Quando tem uma dor de cabeça toma imediatamente um comprimido ou espera que ela passe? Normalmente espero que passe. Só em último recurso é que tomo qualquer comprimido porque não quero criar habituação.

Soraia  Marques Pereira 

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido