uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Distrito de Santarém foi dos que mais aumentou o número de nascimentos este ano
nunopereirafotografia.com

Distrito de Santarém foi dos que mais aumentou o número de nascimentos este ano

Números do primeiro semestre de 2018 deixam-no apenas atrás de Lisboa e Vila Real, tendo sido registados mais 67 nascimentos em relação a igual período de 2017.

Edição de 19.07.2018 | Sociedade

Registaram-se no distrito de Santarém mais 67 nascimentos no primeiro semestre deste ano do que no período homólogo de 2017, tendo chegado aos 1.283 partos nas maternidades do Hospital Distrital de Santarém e do Centro Hospitalar do Médio Tejo, quando em igual período de 2017 tinham nascido 1.216 bebés. O distrito fica assim em terceiro lugar no ranking dos distritos onde se registou um maior aumento de nascimentos, liderado por Lisboa, com mais 261, e Vila Real, com mais 81.
Estes dados têm por base o Programa Nacional de Diagnóstico Precoce, conhecido como “teste do pezinho”, e foram divulgados pelo Instituto Ricardo Jorge a 12 de Julho. A nível nacional indicam um total de 41.786 “testes do pezinho” no primeiro semestre deste ano em Portugal, mais 97 do que no mesmo período no ano passado.
O número de nascimentos em Portugal está a recuperar da queda acentuada que registou em 2017. O ano anterior, 2016, tinha sido um ano de recordes no que diz respeito aos nascimentos, com números a crescer por três anos consecutivos, mas em 2017 esta tendência inverteu-se e, no total do ano, nasceram quase menos 1.400 crianças, em todo o país.
Apesar de 2016 ter sido um ano de recordes a nível nacional, nesse mesmo ano Portugal registou a segunda taxa de natalidade mais baixa entre os 28 estados-membros da União Europeia, logo a seguir à Itália, de acordo com dados do Eurostat.

Houve dias com lotação esgotada nos blocos de partos
O distrito de Santarém é servido por duas maternidades, a do Hospital Distrital de Santarém e a do Hospital de Abrantes, integrado no Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT). O MIRANTE tentou saber, junto de responsáveis de ambas as maternidades, que impacto têm, na realidade, os números revelados pelo Instituto Ricardo Jorge.
De acordo com Anabela Vaz, do gabinete de comunicação do CHMT, a taxa de ocupação da maternidade de Abrantes, em termos de internamento, está perto dos 60%, o que traduz um aumento relativamente ao ano anterior que era em média de 51,2%. E o número de partos no primeiro semestre deste ano evidencia essa tendência, com mais 42 do que no período homólogo de 2017. A maternidade tem 10 camas para puerpério e duas camas de materno fetal, tendo o bloco de partos cinco postos. “Durante o primeiro semestre houve dias com lotação esgotada no bloco de partos”, refere a mesma fonte.
Sobre os factores que poderão estar na origem deste crescimento, Anabela Vaz contextualiza que o CHMT integra uma zona que nos últimos Censos evidenciava ser uma das de maior crescimento demográfico. “Uma população jovem em idade fértil e uma sensação de crescimento económico ou de menor dificuldade de arranjar emprego podem ser os factores que explicam o aumento de natalidade além das benesses associadas à maternidade”, considera.
Para a médica Madalena Nogueira, à frente do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Santarém (durante as férias do director de serviço José Manuel Teixeira), todos os dias há trabalho “seja de parto ou não”, por isso é difícil ter uma noção real deste aumento. De acordo com a responsável, existem cerca de 20 camas de puerpério e o bloco de partos tem seis postos, tendo-se registado alguns períodos de lotação esgotada nos primeiros seis meses do ano.
Quando questionada sobre os factores que poderão estar na génese deste acréscimo de natalidade, a médica realça, além dos factores económicos, o facto de muitas pessoas que antes iam para Lisboa agora optarem por ter os bebés no Hospital de Santarém. “Saber que funcionamos bem deixa as pessoas descansadas”, diz.

Hospital Vila Franca de Xira com mais 66 partos

O Hospital de Vila Franca de Xira realizou 864 partos no primeiro semestre de 2018, mais 66 que no mesmo período do ano passado, o que representa um aumento de 8%. Com cinco salas de partos e uma sala para cesarianas, a actividade da maternidade tem decorrido dentro da normalidade, “mesmo atendendo ao crescimento sustentado do número de partos realizados no hospital nos últimos anos”, refere André Oliveira, da direcção de Comunicação e Sustentabilidade do hospital. Para o segundo semestre do ano está prevista a continuação da tendência de crescimento. De acordo com a mesma fonte, o aumento da procura da maternidade “é o reconhecimento pelas futuras mães da qualidade dos serviços prestados, não só no momento do parto, como também durante a gravidez e na fase pós-parto”.

Distrito de Santarém em nono no número de partos em 2017

O número total de bebés nascidos em 2017 nos hospitais do distrito de Santarém foi de 2.568, ficando posicionado em nono lugar a nível nacional, atrás dos distritos do litoral, nomeadamente Lisboa, Porto, Setúbal, Braga, Aveiro, Faro, Coimbra e Leiria.

O que é o teste do pezinho

O “teste do pezinho” é realizado a partir do terceiro dia de vida do recém-nascido através da recolha de umas gotículas de sangue no pé do bebé. Através deste teste é possível diagnosticar algumas doenças graves que clinicamente são difíceis de descortinar nas primeiras semanas de vida e que mais tarde podem provocar atraso mental, alterações neurológicas graves, alterações hepáticas ou até situações de coma.

Distrito de Santarém foi dos que mais aumentou o número de nascimentos este ano

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...