uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Viaduto de Santana volta à ordem do dia
Pedro Ribeiro esteve junto ao viaduto de Santana a reavaliar o projecto

Viaduto de Santana volta à ordem do dia

Obra junto ao apeadeiro da Linha do Norte está há muito prevista mas nunca saiu do papel. Câmara do Cartaxo continua a considerá-la uma prioridade

Edição de 03.08.2018 | Economia

Técnicos da empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP) estiveram no Cartaxo, a semana passada, para fazerem uma reavaliação do projecto de construção do viaduto de Santana/Cartaxo e acesso ao apeadeiro de Santana, no concelho do Cartaxo. A visita ao local, solicitada pelo presidente da Câmara Municipal do Cartaxo, Pedro Magalhães Ribeiro (PS), e acompanhada por técnicos da autarquia, teve como objectivo a discussão do traçado e a actualização da estimativa orçamental para que a obra, que o edil considera essencial à mobilidade no concelho, possa ser considerada uma prioridade.
Recorde-se que em 2009 a alteração do traçado da via-férrea na zona de passagem de nível ao Km 60+090 e a modernização do actual apeadeiro de Santana/Cartaxo, localizado junto da passagem de nível agora existente, foram alvo de acordo entre o Município do Cartaxo, a REFER e a EP. Acordo que, em 2012, chegou a levar a uma adjudicação da obra, pelo valor total de 5.098.878 euros mais IVA, dos quais 12,99%, seriam suportados pelo município, cujo contrato não chegou a ser assinado, por falta de verbas municipais, à época.
Desde 2014 que Pedro Ribeiro reivindica junto das entidades competentes – à data REFER e Estradas de Portugal – a “necessidade urgente de elaboração de um novo protocolo conjunto”, que redefina a comparticipação de cada entidade, “para que o lançamento de um novo procedimento de adjudicação da obra possa ser feito o quanto antes, resolvendo assim um constrangimento rodoviário e ferroviário”.
Para além da supressão da passagem de nível, que assegurará as exigidas condições de segurança rodoferroviária na principal linha de caminhos de ferro de Portugal, esta obra implica a substituição da ponte rodoviária existente, cujo estado de conservação é deficiente e condiciona o tráfego rodoviário na EN3.3.
Para o autarca, “a par da Ponte Rainha D. Amélia e do novo viaduto que ligará o Cartaxo ao Vale de Santarém esta é uma das obras que consideramos prioritárias para o nosso concelho, por razões de segurança, mas também por se tratar de uma via fundamental para evitar o isolamento de Valada em situação de cheias”.

Viaduto de Santana volta à ordem do dia

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...