uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Última página: O nosso interior de Abrantes a Santarém

Há um problema grave com o passa-peixe no açude de Abrantes mais ou menos parecido com o da praia fluvial de Santarém

Edição de 02.08.2018 | Opinião

Um dos maiores dramas da nossa democracia é o abandono do interior do país. O caso recente do aumento das vagas nos Politécnicos é uma medida sem nexo que em nada vai alterar as assimetrias que se agravam a cada ano.Trazer mais jovens para os concelhos desertificados, ou em processo de desertificação, exige medidas que não sejam servidas avulso. Qual é o papel dos autarcas na política de descentralização para os seus próprios concelhos? Onde é que está o Governo do país a impor ou a propor políticas conjuntas entre autarcas e associações de municípios? Que vozes do interior é que se fazem ouvir na Assembleia da República na defesa dessas estratégias que envolvam os autarcas das várias forças políticas? Quantos deputados da região é que têm para apresentar textos ou vídeos de intervenções a chamarem os bois pelos nomes apontando o dedo também aos camaradas ineptos politicamente e confortavelmente sentados nas cadeiras do poder? Quantos Senadores da política nacional e local é que são capazes de aparecerem num debate na televisão, ou nos jornais, a empertigarem-se contra a demagogia dos governos e dos governantes preguiçosos e acomodados? Vê-se a força das concelhias locais dos partidos na luta pelo fecho dos balcões dos bancos e dos correios? É só isto que sabemos fazer diariamente pelo interesses dos concelhos e da região em que vivemos?
Podemos dar-nos ao luxo de organizar debates sobre o problema da interioridade, como aconteceu recentemente em Abrantes, com os principais intervenientes a discursarem à pressa porque tinham as agendas cheias? Que gente é esta que gosta de molhar o pão na sopa mas foge a sete pés da conversa responsável à mesa e em família alargada? Os melhores autarcas do Médio Tejo ainda dizem à socapa que o melhor de Abrantes é o caminho para Coimbra? E os da Lezíria do Tejo que o melhor do território são as estradas para Lisboa? Se não dizem ainda pensam e é como se o dissessem para todos nós que damos o escalpe pelo nosso território?
Há um problema grave com o passa-peixe no açude de Abrantes mais ou menos parecido com o da praia fluvial de Santarém que foi por água abaixo. Não falo das responsabilidades políticas e criminais que deveriam ser assacadas a quem de direito; falo da incapacidade para resolverem os problemas; da falta de vergonha para nos andarem a apertar todos os dias com abraços de urso. Mação vai conseguir justiça do Governo no apoio à calamidade dos incêndios se os autarcas da região não forem solidários e não marcharem (de fato e gravata, claro) para a Assembleia da República ou para o Terreiro do Paço?
“A Revolução é um momento. O revolucionário todos os momentos”. Alguém quer saber, hoje, do espírito da revolução dos cravos que fez de nós, por alguns anos, o povo mais feliz do mundo? Ainda há gente por aqui que acredita no seu interior? JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...