uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Última página: O rapaz do Governo chamado Pedro Marques

O presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, diz esta semana numa entrevista ao Expresso que o ministro Pedro Marques “é um rapaz muito esforçado e muito próximo das coisas”.

Edição de 16.08.2018 | Opinião

O presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, diz esta semana numa entrevista ao Expresso que o ministro Pedro Marques “é um rapaz muito esforçado e muito próximo das coisas”, para acrescentar que se ele não faz mais no seu ministério é porque não tem dinheiro.
A entrevista é sobre a bela Sintra, o concelho do país que mais cresce em Portugal desde há vários anos, e só se espanta com o à-vontade de Basílio Horta a tratar os ministros e os milhões do orçamento municipal por tu quem não conhece o ex-ministro que militou em quatro governos da República desde 25 de Abril de 1974.
A opinião sobre o rapaz que é ministro mostra o seu à-vontade na vida pública e política e a sua excelente forma na presidência da Câmara Municipal de Sintra.
Uma boa parte das pessoas que se instalam há anos no segundo concelho mais populoso do país demora de duas a quatro horas a sair e a regressar a casa ao fim de um dia de trabalho. A grande maioria desloca-se de automóvel e enfrenta filas de trânsito que nem os santos aguentariam. As casas custam o dobro ou o triplo do que custam a meia hora de Lisboa, por auto-estrada, e lá não há quintais, nem é possível criar galinhas ou ter uma barraca para o cão, quanto mais um espaço onde plantar umas flores ou uma árvore de fruto para as crianças sujarem as mãos de terra depois de regressarem da escola.
Enquanto na bela Sintra os prédios nascem como cogumelos e as pessoas se orgulham do novo apartamento, embora sem saberem ainda se o conseguem pagar, a pouco mais de meia hora de Lisboa, em Aveiras ou no Cartaxo, só para dar dois exemplos, as casas vão ficando em ruínas e o número de habitações à venda parece coisa de outro país. As casas degradadas e em risco de incêndio são às centenas. As lojas fecham a torto e a direito e os negócios não se aguentam por falta de clientes. É uma pescadinha de rabo na boca que nos deixa perplexos, e sem boca para abrir, porque se os exemplos não vêm de cima quem somos nós para nos substituirmos aos políticos colegas de Basílio Horta?
Deixamos de lado Santarém e o seu centro histórico entregue aos profissionais das autarquias que continuam a mandar mais que os políticos; esqueçamos os engenheiros e os arquitectos das câmaras, que são verdadeiros líderes na arte de complicar, para o que contam com as muitas agências tuteladas pelo Estado e pelos igualmente burocratas deste país que mandam mais nisto tudo que os banqueiros e os donos das empresas de distribuição. Fixemo-nos no essencial que é o casario das nossas cidades e aldeias e perguntemo-nos: como é possível que a pouco mais de meia hora de Lisboa sejamos aldeias em ruínas, tenhamos centros históricos ao abandono e estejamos entregues a rapazes? JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...