uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Última Página: Roubaram a loja mas não levaram os donos

Só quando nos assaltam a loja tudo fica na mesma se se der o caso de não levarem os donos junto com a mercadoria

Edição de 23.08.2018 | Opinião

Chega sempre o dia em que somos protagonistas das histórias que contamos. Tenho dúvidas sobre o interesse editorial desta crónica mas vou dar ao teclado.
Assaltaram a Loja da Fátima da Chamusca com requintes de malvadez como é habitual em roubos a ourivesarias. Levaram o que tinham para levar mas ainda deixaram muita coisa, nomeadamente os donos da loja que, à hora do assalto, dormiam que nem santinhos.
O assalto foi numa noite em que morreu muita gente e outra tanta percebeu que vai morrer a curto prazo, e deixa cá tudo.
Sempre que afinamos a garganta, ou a caneta, a gritar que é uma merda perdermos os efectivos da GNR ou da PSP, não sabemos, tal como quando cantamos em coro com os sinos da igreja, que estamos a cantar no nosso próprio funeral ou, no caso, a falar da nossa própria desgraça.
Mesmo que nos roubem os vasos à porta de casa já dá para estragar o sono de algumas noites. Se nos assaltam a casa e levam o computador, ou as jóias de família, nunca mais dormimos descansados. Só quando nos assaltam a loja tudo fica na mesma se se der o caso de não levarem os donos junto com a mercadoria. Como diz o outro, as feridas que não nos matam tornam-nos mais fortes; Isto não serve para toda a gente, como é evidente, pelo que vamos vendo e vivendo. Mas quando serve para nós queremos lá saber que os outros existem.
Já fui roubado muitas vezes ao longo da vida e de algumas vezes aprendi muito com os gatunos. Aprendi essencialmente a defender-me para não ser roubado mais vezes e da mesma maneira; no caso da Loja da Fátima não aprendi nada depois do último roubo.
Mas se tivesse aprendido aceitava com o coração no lugar o infortúnio de hoje, ou era um pobre de Cristo desde metade da minha vida agarrado ao dinheiro e aos valores materiais? Que se fodam os anéis desde que fiquem os dedos. Quando chegamos a uma certa idade começamos a comer muito menos e a viver com muito pouco, exactamente como as crianças que também já fomos. E essa é uma lição que ninguém nos ensina; nem os pais nem os padres: somos nós que ao longo da vida vamos aprendendo, ou não, que a sabedoria é uma borboleta e não uma ave de rapina. JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...