uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Última página: A qualidade do ensino e as lideranças nos Politécnicos

Jorge Justino é daqueles dirigentes que não saem da toca, não sabem dar um grito nem um murro na mesa.

Edição de 06.09.2018 | Opinião

Os dois Politécnicos da região são imprescindíveis para a economia local. Tomar e Santarém perderiam muita e importante actividade económica se por alguma razão os Politécnicos falissem.
O actual panorama do ensino Politécnico não é o melhor, nem o mais recomendável, para que o seu futuro possa estar garantido a médio prazo. Embora existam várias realidades a ter em conta, conforme as instituições e os líderes, a generalidade debate-se com falta de alunos e com um ensino muito abaixo da média. Há muitas dúvidas sobre a qualidade do ensino e muitas certezas sobre a falta de liderança de algumas escolas.
O presidente do Politécnico de Leiria foi à cerimónia do dia da cidade defender para Leiria a criação de uma Universidade Técnica. Segundo ele, o Politécnico deve evoluir para Universidade até ao ano 2022. E pediu apoio à região para a criação de um ecossistema educativo de investigação e inovação que ajude a chegar a esse objectivo.
Ninguém vai preso em Portugal, por enquanto, por ser ambicioso e aproveitar as cerimónias públicas para dar conta do mérito da sua instituição, da excelência da sua gestão ou dos objectivos a que se propõe. O que se estranha é que os lideres não apareçam em público, convidados ou por iniciativa própria, a puxarem dos galões e a defenderem o seu trabalho e a importância das suas instituições.
Jorge Justino está de saída do Instituto Politécnico de Santarém e não vai deixar saudades. O Politécnico está cheio de problemas, dividido, tal como ele o encontrou, e não se lhe conhece em oito anos de gestão uma atitude, um discurso, uma medida que o faça ficar na memória quanto mais História. Jorge Justino é daqueles dirigentes que não saem da toca, não sabem dar um grito nem um murro na mesa. O que ele fez na presidência do Politécnico de Santarém foi exercer o poder, mas sem carisma, talvez com ambição mas sem coragem, talvez com um bom programa mas sem energia para o pôr em prática, eventualmente cheio de boas intenções mas sem corpo para dar o peito às balas, fugindo sempre às perguntas difíceis, escondendo o rosto nas alturas em que devia ter dado a cara. Alguém conhece Jorge Justino? JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...