uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Última Página: Viajar para viver e aprender

Um dia destes viajei pela primeira vez num cruzeiro pelo mar das Caraíbas. Embarquei numa cidade americana e depois visitei a Jamaica e o Haiti mas só rente às sobrancelhas.

Edição de 28.12.2018 | Opinião

Um dia destes viajei pela primeira vez num cruzeiro pelo mar das Caraíbas. Embarquei numa cidade americana e depois visitei a Jamaica e o Haiti mas só rente às sobrancelhas. Os cruzeiros são viagens de sonho de que nunca se acorda. Avisaram-me antes que ia ficar surpreendido com o número de pessoas idosas que ia encontrar a trabalhar principalmente nas zonas de embarque. E assim foi. Dezenas de idosos, coxos e marrecos, impecavelmente fardados, solícitos, cheios de genica, com uma disposição de quem está a começar a vida profissional.
Demorei mais do que devia a observá-los e a rememorar outros tempos e outras pessoas que ainda me são queridas e que recordo com saudade. E também olhei por mim abaixo. E revi-me em alguns gestos, em algumas rugas, em algumas corcundas, em muitas mãos delicadas mas com os dedos tortos, nas pernas arqueadas mas também na falta de cabelo e nas covas dos olhos.
Ia preparado para a realidade porque numa conversa com amigos alguém disse que na grande América do Norte as reformas não são como na Europa. As pessoas têm que trabalhar até ao fim da vida e das posses. Não há reformas chorudas aos quarenta e cinco anos como aconteceu em Portugal. Nem aos sessenta e quatro como acontece agora. Lá trabalha-se até ao fim da vida e com um sorriso no rosto. Depois do que vi não tenho dúvidas: eu quero morrer a trabalhar como eles nem que seja a vender gelados numa praia.


Quantas igrejas tem o céu?
Porque não ataca o tubarão as impávidas sereias?
É verdade que a esperança se deve regar com orvalho?
As lágrimas que não se choram esperam em pequenos lagos?

Partilho versos de Pablo Neruda, do Livro das Perguntas, porque sempre que se aproxima um ano novo o poeta chileno traz-me boas recordações. Desejo um Feliz Ano Novo a todos os leitores desta coluna. JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...