uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Última Página: Sobre jornais e jornalistas: uma reflexão a partir de uma redacção de um jornal de província

Um assalto sofisticado a um banco, na Chamusca, só é notícia em O MIRANTE; se for uma porta arrombada de uma residência em Lisboa pode sair na primeira página ou ser abertura de telejornal.

Edição de 03.01.2019 | Opinião

As palavras do Presidente da República sobre o apoio aos jornais, proferidas nos últimos tempos de forma sempre cautelosa, tornaram ainda mais pública e notória a crise da imprensa e do jornalismo em Portugal.
Marcelo Rebelo de Sousa foi durante muito tempo director do Expresso e colaborador de vários jornais, rádios e televisões. Percebe o drama que se vive no seio das empresas e na vida de cada jornalista.
Portugal ainda não é um caixote do lixo de jornais mas para lá caminha. A maioria dos jornais de referência já tem tiragens absurdas para publicações que empregam dezenas de profissionais e se propõem contribuírem com notícias e opiniões para a vida democrática do país.
A falta de publicidade, mãe de todas as independências editoriais, deixou em palpos-de-aranha todas as administrações. Os chefes estão habituados a trabalhar com jornalistas mas ignoram, e até parece que desprezam, os departamentos comerciais. Ninguém olha para um jornal e vê um produto de promoção de empresas e serviços. Muitas empresas que contactamos para investirem em publicidade dizem aos nossos colegas que não podem gastar dinheiro e que temos obrigação de dar notícias sobre elas porque são assinantes.
Felizmente não é uma opinião maioritária. Ao nível da organização dos jornais poucos têm um sector comercial preparado para fazer o jornal sobreviver com as receitas da publicidade. A grande maioria depende ora de um grupo de distribuição, ora de um patrão da indústria, quando não é o caso de dependerem de investidores literalmente interessados no uso e fruto das notícias. A maioria dos patrões parece sintonizada com os empresários que se acham donos disto tudo.
Deixo aqui meia dúzia de linhas sobre assuntos da imprensa que não posso desenvolver agora mas que demonstram a fraqueza do sistema.
1) A única associação de classe dos patrões dos jornais quase que desapareceu. 2) Os jornalistas que vão saindo das empresas não querem voltar à profissão tal é a desconfiança. 3) As universidades continuam a formar jornalistas que nunca saem das salas de aula durante os anos do curso. 4) Os jornais de maior referência em Portugal continuam a ter uma agenda comum o que empobrece o jornalismo e a democracia. 5) Um assalto sofisticado a um banco, na Chamusca, só é notícia em O MIRANTE; se for uma porta arrombada de uma residência em Lisboa pode sair na primeira página ou ser abertura de telejornal. 6) Os membros do Governo não precisam ter mérito na governação para serem notícia diariamente e para falarem ao país: os jornais parece que existem em função do governo e dos deputados com prejuízo das notícias e das reportagens sobre o país real. JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...