Sociedade | 26-12-2004 16:26

Sindicato da OGMA acusa Governo de vender empresa "ao desbarato"

O sindicato da OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal acusou o Governo de ter concluído "à pressa" e "com fins eleitoralistas" o processo de privatização, fazendo um "mau negócio para o Estado" com a venda ao consórcio Embraer/EADS.O consórcio, com 99 por cento de capital detido pelo fabricante aeronáutico brasileiro Embraer, vai pagar 11,4 milhões de euros por 65 por cento da empresa aeronáutica portuguesa, valor que o sindicalista Jorge Lopes considera "irrisório" e uma "venda ao desbarato".Para Lopes, o processo de privatização foi feito sem transparência, e sem participação ou informação aos trabalhadores do seu decurso.Em consequência, afirma, "os trabalhadores desconhecem as perspectivas futuras da empresa", apesar de reconhecerem a valia das duas empresas vencedoras do concurso.O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) vai pedir uma reunião urgente à presidente da OGMA, Rosário Ventura, com quem esteve em contacto na quinta-feira, antes do anúncio oficial do resultado do concurso.O Ministério da Defesa justificou a intenção de concluir até final de 2004 a privatização da OGMA, lançada em Maio, como forma de que os 133 milhões de euros de passivo da empresa que o Estado assumiu não serem contabilizados no défice público deste ano.No concurso de venda de uma participação de entre 35 por cento e 65 por cento da OGMA participou também o fabricante aeronáutico italiano Alenia, que oferecia oito milhões de euros por uma participação de 60 por cento.Sedeada em Alverca, a OGMA emprega actualmente perto de 1.600 trabalhadores.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo