Sociedade | 05-02-2005 18:35

Jovem lusodescendente é melhor cozinheiro do mundo

Filho de emigrantes portugueses de Guimarães na região de Lyon, França, Serge Vieira é aos 28 anos o "campeão do mundo" dos cozinheiros, eleito entre representantes de 24 países no concurso internacional Bocuse d'Or.

Com um prato de peixe inspirado em produtos típicos da região de Lyon e outro tradicional de vitela conseguiu para a França o título de melhor cozinheiro do mundo, o ponto alto de uma carreira que começou a esboçar-se tinha Serge apenas 16 anos.Nascido em Abril de 1977 em Clermont-Ferrand, para onde os seus pais fugiram ao regime de Salazar, Serge mantém a sua ligação a Guimarães."Foram os cheiros do forno a lenha da minha avó, em Guimarães, onde passava sempre as férias do Verão, que me inspiraram a tornar-me cozinheiro", disse à Agência Lusa.Ainda hoje é com a gastronomia portuguesa que se identifica mais, apesar de nunca a usar como fonte de inspiração para o seu trabalho."Gosto da simplicidade da cozinha portuguesa e o meu prato preferido é o caldo verde da minha mãe para quem homem não entra na cozinha", conta, divertido com a postura conservadora da mãe que tem vindo a ser suavizado pelos sucessos do jovem cozinheiro.Serge é segundo chefe do "Auberge et Clos de Cimes" em Saint Bonnet le Froid, arredores de Lyon, um restaurante de duas estrelas onde um jantar para duas pessoas pode custar mil euros. Trabalha ao lado de Régis Macon, vencedor da Bocuse d+Or em 1995 e um dos mais conceituados chefes de cozinha franceses.Desde 1998, ano em que conseguiu o brevet profissional de cozinha, Serge passou por vários outros restaurantes de luxo e trabalhou com nomes da cozinha francesa como Dominique Robert, Laurant Picarle ou Marc Meneau.Aliás, para Serge só foi possível vencer o concurso graças aos conselhos e às sugestões dos chefes com quem trabalhou e que continuam a dar-lhe todo o apoio."Demorei um ano a preparar-me para o concurso. Seis meses a tentar encontrar patrocinadores e cinco a escolher os pratos que iria apresentar. Quinze dias antes da data ainda não tinha certeza do que iria mostrar", lembra, sublinhando a importância dos conselhos que recebeu na altura.Optou por um prato de peixe "à lyonesa" onde o toque de originalidade é dado pela substituição da espinha original por uma outra moldada em enchido e por um prato tradicional francês de vitela.Durante o concurso, que decorreu a 25 e 26 de Janeiro no Salão Internacional de Restauração, Hotelaria e Alimentação de Lyon, Serge submeteu os seus dotes de cozinheiro à apreciação e ao gosto de um júri presidido pelo reputado chefe Michel Brás.Não se considera o melhor cozinheiro do mundo, mas apenas o melhor dos 24 participantes e lamenta que Portugal não tenha estado presente no concurso por um dos "bons cozinheiros que tem".Representar Portugal neste tipo de concursos não entusiasma Serge, que tem "sangue" português, mas é francês.Admirador da Selecção Portuguesa de Futebol e do Vitória de Guimarães, sonha abrir um restaurante de luxo em Portugal e começou agora a prepara-se para o concurso de melhor operário de França, que se realiza dentro de três anos, imaginando-se já a receber o prémio das mãos do presidente da República francês.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo