Sociedade | 17-03-2005 10:55

Vereador confirmou gestos de amizade com as queixosas

António Fidalgo, acusado de coacção sexual, disse não ver qualquer anormalidade no facto das funcionárias lhe concertarem a gravata em público. Refutando os factos de que é acusado, disse ainda que por detrás da queixa podia estar a intenção de derrubar o executivo camarário. O ex-vereador da Câmara de Tomar, António Fidalgo, acusado de coacção sexual por quatro funcionárias da autarquia à época suas subordinadas, admitiu que, ao contrário do que era habitual, viajou para França com uma das queixosas no mesmo avião. Confirmou que ficaram instalados no mesmo hotel e no mesmo piso. Mas que a viagem de trabalho processou-se dentro da normalidade. António Fidalgo, que tinha o direito a não se pronunciar sobre os factos, optou por falar na última sessão do julgamento, na segunda-feira, dia 14. E perante a insistência do colectivo de juízes, presidido por Vítor Amaral, acabou por esclarecer que antes da viagem, ao aperceber-se que ia sozinho com a queixosa, numa altura em que alegadamente já decorriam os actos de coacção sexual, falou com ela e com o marido sobre o assunto. A declaração deixou os juízes perplexos, pelo que tentaram sacar mais algumas informações para além das constantes afirmações do arguido de que não sabia porque estava a ser acusado. E Fidalgo deixou escapar que os problemas estão nas vozes do meio em que está inserido (Tomar). Sublinhando até que há “maledicência” por algumas pessoas serem amigas. O ex-vereador admitiu também ter feito viagens de carro com algumas das queixosas e aceitou a possibilidade de alguma delas se ter sentado ao seu colo nos almoços do parque de campismo de Tomar, no ano de 2001. Recorde-se que a testemunha Manuel Jacome disse numa sessão anterior que viu várias vezes as assistentes no processo em disputa para se sentarem nas pernas de António Fidalgo. Antes de enveredar por teorias da conspiração, António Fidalgo admitiu também que as queixosas lhe consertavam a gravata em público. Mas sublinhou que considerava isso era coisa normal entre pessoas que se davam bem. “Se isso é demais dentro de uma amizade, então meu Deus…”, exclamou.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo