Sociedade | 25-03-2005 12:11

Nova gestão no tratamento de efluentes dos curtumes

O sistema de tratamento de águas residuais de Alcanena vai mudar de gerência, num contrato que permitirá aos industriais de curtumes da região e à autarquia poupar 40 por cento nos custos de exploração, disse fonte dos utilizadores.Vasco Aparício, presidente da Associação Portuguesa dos Industriais de Curtumes, disse à Agência Lusa que a Associação de Utilizadores do Sistema de Tratamento de Águas Residuais de Alcanena (AUSTRA) assinou um contrato com a empresa Solurbe, que começou a vigorar segunda-feira, pondo termo à relação de uma década com a Luságua.Segundo disse, a mudança de parceiro decorreu de um concurso lançado pela AUSTRA, ao qual a Luságua (do grupo Águas de Portugal) também concorreu, tendo vencido o concorrente que ofereceu melhores condições.Vasco Aparício lamentou que ao longo de uma década os utilizadores do sistema que trata os efluentes domésticos e das indústrias de curtumes de Alcanena tenham estado a pagar mais um milhão de euros por ano pelos custos de exploração.Para o presidente da AUSTRA, esta foi, há 10 anos, "compulsivamente obrigada" a ficar com um contrato que havia sido assinado em 1988 entre a Direcção Geral dos Recursos Naturais (DGRN) e a Luságua, já que lhe foi vedada a possibilidade de renegociar."O acordo entre os industriais e a DGRN, assinado em 1995, previa, além da realização de obras que eram necessárias, a possibilidade de renegociar o contrato directamente com a Luságua ou de realizar um novo concurso público, mas a Administração Central disse que se isso acontecesse teríamos de pagar a cláusula de rescisão, no valor de cinco milhões de euros, o que na prática nos obrigou a ficar com o contrato", disse.O contrato findou este mês, apresentando a empresa que ganhou o concurso para os próximos três anos custos de exploração anuais da ordem dos dois milhões de euros, quando os utilizadores têm estado a pagar três milhões, o que representa 3 por cento na estrutura de custos das empresas, afirmou.O sistema de tratamento dos efluentes das indústrias de curtumes de Alcanena apresenta problemas, já identificados, como fissuras nos colectores, que implicam investimentos da ordem dos 20 milhões de euros.Esses problemas têm vindo a ser denunciados, sobretudo por autarcas ribeirinhos do Alviela, que se queixam de uma degradação ambiental do rio, com registos cíclicos de mortandade de peixes, depois de uma revitalização notória sentida nos anos 90 do século XX.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo