Sociedade | 16-03-2006 18:00

Estrada romana trava museu em Vila Franca

Uma estrada romana foi descoberta no local onde estava a ser construído o museu do Neo-Realismo em Vila Franca. Os arqueólogos temem que as máquinas tenham destruído algumas peças e vestígios.Uma estrada real, possivelmente romana, foi encontrada no local de construção do Museu do Neo-realismo, no centro de Vila Franca de Xira. Os arqueólogos estão a proceder ao registo dos vestígios já encontrados, enquanto procuram novos elementos arqueológicos.A estrada agora encontrada tem, segundo o arquitecto do Instituto Português de Arqueologia (IPA), José Correia, “aspecto de ser romana”. A directora do Museu Municipal de Vila Franca, Graça Nunes, confirma esta possibilidade, acrescentando que há registos históricos que referem a existência de uma via nesta zona que ligava a então “Olissipo” (Lisboa) a “Scalabis” (Santarém).A estrada terá sido também utilizada pela família real para as suas estadias em Povos. No livro “Navegando no Tejo”, editado em 1995 pela Comissão de Coordenação do Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT, é mencionada, por exemplo, a visita de D. João II em 1487 por altura da partida de Bartolomeu Dias do cais de Povos. Uma escultura em terracota, moedas e fíbulas (uma espécie de fivela), que aparentam ser da época medieval, vários objectos de cerâmica comum e restos de uma nora foram entretanto também encontrados. A escultura que representa uma figura feminina é um dos principais achados e encontra-se, segundo a directora do museu municipal “muito bem conservada”. Graça Nunes adianta que depois de estudada, datada e limpa, a estátua ficará exposta no museu municipal. Por não terem sido feitas as sondagens arqueológicas antes do início das escavações para a construção do futuro Museu do Neo-realismo, o arqueólogo do IPA chegou a temer que se tivessem perdido vestígios importantes. No entanto, por se encontrar numa cota muito baixa a estrada real não foi afectada pelos trabalhos entretanto realizados.O IPA mandou interromper os trabalhos de construção do museu há cerca de duas semanas, precisamente por desconfiar que na zona existiriam importantes elementos arqueológicos. Apesar de satisfeito com o facto de as escavações não terem danificado significativamente os vestígios, José Correia acredita que “alguns elementos tenham já sido removidos pelas máquinas”. A presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira explica que os trabalhos de investigação arqueológica foram interrompidos depois de a arqueóloga da câmara municipal ter sofrido um acidente. A autarquia iniciou então o processo de contratação de dois arqueólogos. No entanto, houve, segundo a edil, “um desfasamento” entre a efectiva contratação e os trabalhos de escavação no terreno. Para evitar situações similares no futuro, Maria da Luz Rosinha diz que a autarquia está a ponderar “considerar na revisão do PDM delimitar zonas no concelho em que, pela sua importância arqueológica, sejam exigidos trabalhos de sondagem para qualquer obra que se pretenda realizar”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1369
    20-09-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1369
    20-09-2018
    Edição Vale Tejo