Sociedade | 08-05-2006 09:49

Populares denunciam poluição no Alviela

Uma descarga de efluentes agro-industriais de grandes dimensões ocorreu no rio Alviela, perto de Vale Figueira, concelho de Santarém, alertou ontem a Comissão de Defesa daquele curso de água.

Em declarações à Agência Lusa, Firmino Oliveira explicou que foi alertado para esta descarga cerca das 17:30, já que um popular detectou a existência de "água muito escura com maus cheiros" na zona de Vale Figueira.Para Firmino Oliveira, que é também presidente da Junta de Vaqueiros (Santarém), esta descarga teve origem em suiniculturas que existem na zona, uma situação que já foi referenciada pelas autoridades, mas nunca chegou a ser resolvida."Já falámos várias vezes com a GNR, como hoje, mas nunca vimos que fizessem nada", afirmou Firmino Oliveira, que não atribui culpas nesta caso aos efluentes da indústria de curtumes do concelho de Alcanena, a fonte habitual da poluição deste curso de água."Desta vez não são químicos, mas efluentes agro-industriais", explicou o autarca, recordando que estas descargas sucedem "duas vezes por semana", mas só hoje é que foi mais sentida pela população.Para resolver os problemas ambientais do rio, foi criada recentemente uma comissão mista das Câmaras de Alcanena e Santarém que está a promover uma petição para entregar ao Parlamento, visando sensibilizar o Governo para a necessidade de investimento na zona, de modo a inverter a degradação ambiental do Alviela.O rio foi objecto de uma intervenção na década de 1990, com a construção de uma Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) que concentrou os efluentes das indústrias de curtumes de Alcanena, mas a falta de conclusão do sistema e problemas de manutenção provocaram novos problemas ambientais.Para os autarcas e residentes na zona, o investimento feito nos anos 90 está obsoleto, a ETAR tem tecnologia ultrapassada e muitas das condutas apresentam fissuras profundas, recordou o vereador de Alcanena, que espera um apoio para um novo projecto que seja acompanhado pelos empresários e pelas autarquias.A indústria dos curtumes é a principal fonte de poluição do rio, que já abasteceu as torneiras da Grande Lisboa durante muitos anos, mas os empresários já se mostraram disponíveis para colaborar no investimento futuro a realizar.Por outro lado, a ausência de cuidados no tratamento dos efluentes agro-industriais está também a contribuir para a degradação da qualidade da água, nomeadamente a jusante de Vaqueiros e Pernes, já no concelho de Santarém.Os últimos meses têm sido palco de sucessivas descargas de químicos no rio, causando a morte de muitos peixes e danificando os projectos de valorização ambiental do rio, após a recuperação do leito de água na década de 90.Lusa

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo