Sociedade | 12-05-2006 08:59

Coruche fecha três escolas

As escolas do primeiro ciclo Gaspar Alves (Branca), da Malhada Alta e de Olheiros, todas no concelho de Coruche, não vão abrir no próximo ano lectivo. A decisão da Direcção Regional de Educação de Lisboa (DREL), sustentada no reduzido número de alunos desses estabelecimentos, foi discutida na reunião camarária de Coruche de 3 de Maio.A escola Gaspar Alves tem apenas quatro alunos, enquanto a da Malhada Alta e de Olheiros têm cinco alunos cada. No próximo ano lectivo as crianças que frequentavam a Gaspar Alves terão aulas na escola da Branca, a cerca de quatro quilómetros. Ao passo que os alunos da escola da Malhada Alta transitam para o recinto escolar do Rebocho e as de Olheiros para a escola da Erra.Sem poder de decisão na matéria, a Câmara de Coruche assumiu a situação com a justificação de que os alunos terão um melhor processo de sociabilização em escolas com mais crianças.Os vereadores da CDU no executivo municipal votaram contra a proposta. Ricardo Raposo afirmou que o encerramento das escolas também prejudica os alunos . “Desde o maior distanciamento dos alunos às suas casas e famílias, as deslocações maiores no trajecto casa-escola-casa e o choque de adaptação à mudança de escola”, opinou. O presidente da câmara, Dionísio Mendes (PS), considerou que os alunos sofreram choque maior quando saíram do pré-escolar para o primeiro ciclo de ensino básico em escolas de outras localidades. Defendeu ainda que o ministério da Educação deve suportar os custos acrescidos com os transportes dos alunos para outras escolas e que será informado dessa reivindicação da autarquia. “Deve também disponibilizar linhas de financiamento do novo Quadro de Referência Estratégico Nacional e de outros âmbitos para a criação de centros escolares e para que as escolas básicas integradas do concelho tenham condições idênticas”, salientou Dionísio Mendes. Os quatro vereadores do PS votaram favoravelmente a deliberação. Os três eleitos da CDU votaram contra por considerarem que, apesar da posição da autarquia não ter influência na decisão do ministério de Educação, o executivo se devia mostrar favorável à continuidade daqueles equipamentos escolares. Ricardo Carreira

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo