Sociedade | 07-10-2006 15:10

Família do Entroncamento vive numa casa em ruínas

O prédio com o número 39 da rua Luís de Sommer, no Entroncamento, está em risco de ruir. O soalho está podre, os tectos abaulados pela infiltração de águas e a casa de banho tem apenas um lavatório e uma sanita partida. Há 27 anos que ali vive uma família, com um menor.Paus de madeira seguram precariamente os barrotes podres. As telhas foram tiradas por Carlos Pascoal, com receio que a madeira não aguentasse o peso por muito mais tempo e viesse tudo abaixo. “É melhor andar à chuva que arriscarmo-nos a ficar aqui soterrados”.Há três anos a Câmara do Entroncamento, depois de ter recebido um relatório da junta de freguesia e da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) do concelho, fez uma vistoria ao edifício e deu a casa como “ruína”. A proprietária foi notificada para fazer obras mas até à data nada fez.Desde essa altura as condições de habitabilidade do edifício degradaram-se ainda mais. No rés-do-chão já não mora ninguém, depois de começar a cair pedaços de madeira do primeiro andar, onde habita Calos Pascoal, a mulher Conceição e Bráulio, o filho com 15 anos.A família Pascoal vive naquele primeiro andar há 27 anos. Começou a pagar mil escudos (cinco euros) de renda e actualmente desembolsa mensalmente 22,90 euros. Nunca faltou com uma prestação. Nunca viu a proprietária fazer qualquer melhoramento no edifício.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo