Sociedade | 22-02-2008 09:48

Programa de apoio a toxicodependentes em risco em Vila Franca

A presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira divulgou esta semana uma carta enviada ao presidente do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) onde apela, com carácter de urgência, à concessão de apoio ao Plano Integrado de Prevenção de Toxicodependências (PIPT). A missiva foi enviada aos ministros da saúde e segurança social e ao Primeiro-ministro para conhecimento.O projecto de prevenção e tratamento das toxicodependências apoiou centenas de crianças e jovens desde 2000 e tem tido resultados considerados pelos técnicos como “muito positivos”, afastando dezenas de jovens dos consumos com vários casos de reintegração plena. Maria da Luz Rosinha garantiu que a câmara tudo tem feito para manter em funcionamento o projecto, assumindo o pagamento dos encargos com os técnicos e outras despesas, mas a situação não pode ser assumida por muito mais tempo. “É uma área em que o Estado é responsável e temos de encontrar respostas na área da saúde. Trata-se de casos de saúde”, referiu a edil na reunião de câmara realizada no dia 13 de Fevereiro.Neste momento os Núcleos de Atendimento a Toxicodependentes (NAT’s) de Alverca e Povos, Vila Franca de Xira, estão a acompanhar 223 toxicodependentes. Nos sete anos de funcionamento os núcleos prestaram apoio a 561 utentes. Os núcleos são assegurados por equipas com dois psicólogos e um técnico de acolhimento. Os espaços funcionam em estreita articulação com os centros de saúde e com o Centro de Atendimento a Toxicodependentes (CAT) de Xabregas.No núcleo de Alverca dois enfermeiros asseguram o programa de substituição de metadona, uma substância que inibe os consumos e é aplicada em toxicodependentes com consumo suspenso.“Qualquer interrupção pode significar o fim do tratamento e a perda de meses e anos de trabalho”, alerta a presidente da câmara que considera o modelo utilizado no concelho de Vila Franca “economicamente viável, com ganhos para o Estado. Maria da Luz Rosinha frisa ainda a importância da prevenção porque “prevenindo evita-se gastos mais acentuados no tratamento”. Os gabinetes de atendimento a jovens e pais funcionam nas escolas e aconselham e acompanham jovens em risco e respectivas famílias. Nos sete anos de funcionamento, acompanharam 1703 jovens e 780 famílias. A lista de espera para atendimento, com dezenas de jovens e famílias inscritas, revela a necessidade de alargar as respostas.Para além das escolas, o projecto em curso no concelho de Vila Franca de Xira envolve os centros de saúde, a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens, o Serviço Local de Acção Social e um conjunto de instituições.Maria da Luz Rosinha considera que é um projecto raro no país que serviu de inspiração para a estratégia nacional. A autarca lamenta o atraso do IDT na publicação de um regulamento e do concurso que formalize as regras de funcionamento e defina os financiamentos por parte do instituto. A edil frisa na carta enviada ao presidente do IDT que “o município não pode nem deve substituir-se ao Estado e ser seu financiador”.A presidente conta com a solidariedade de todo o executivo. O vereador da CDU José Francisco Santos lamentou a falta de respostas do IDT e louvou “o espírito abnegado da câmara e dos técnicos envolvidos neste projecto. O autarca defendeu que devem ser aproveitadas as oportunidades previstas no Quadro Nacional de Referência Estratégica (QREN) com programas que podem complementar os objectivos do Plano Integrado de Prevenção de Toxicodependências. O plano em curso em Vila Franca tem como áreas de intervenção os Gabinetes de Atendimento a Jovens e Pais, a Rede Jovem, Formação de Jovens Mediadores, consulta de adolescentes, formação de professores e o programa de competências pessoas e sociais “Arquipélago”.Através desta iniciativa, jovens e pais recebem formação e são encaminhados e acompanhados psicológica e socialmente através de actividades sócio-educativas, acções preventivas, apoio individualizado em casos de risco, debates e campanhas onde serão tratados os problemas da droga e também da sexualidade e doenças sexualmente transmissíveis.Câmara celebra protocolo Universidade do Porto A Câmara de Vila Franca de Xira celebrou um acordo com a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto com vista à elaboração de um estudo sobre “Uso de drogas e outros comportamentos de risco na adolescência: factores de risco e factores de protecção”.A parceria pretende sistematizar em moldes científicos os dados recolhidos ao longo dos seis anos de execução do Plano Integrado de Prevenção das Toxicodependências, que engloba as áreas da prevenção e do tratamento.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Vale Tejo