Sociedade | 19-07-2008 16:24

Ministério garante que criança com deficiência profunda pode continuar no ensino especial

O Ministério da Educação garantiu hoje que a criança de seis anos de Santarém portadora de deficiência profunda poderá continuar a frequentar o ensino especial enquanto os encarregados de educação assim o desejarem. Fonte da tutela contactada pela Agência Lusa evocou um despacho do secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, publicado em Diário da República a 07 de Fevereiro de 2008, que refere que “aos alunos que, no presente ano escolar, frequentam as instituições (…) é assegurada a manutenção dessa frequência (…) enquanto os respectivos pais ou encarregados de educação pretendam a continuidade da mesma”. “Considerando que importa assegurar a manutenção e continuidade do percurso escolar dos alunos que actualmente frequentam aquelas instituições, de forma a não criar rupturas no seu processo de ensino-aprendizagem”, lê-se no despacho. Contactada pela Lusa, a mãe da menor, que desconhecia o despacho, considerou “óptima” a possibilidade de manter a filha na Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Vale de Santarém, garantindo que será essa a decisão que tomará. “Não conheço outro sítio, que não ali, para a minha filha ficar, porque precisa de terapias diárias e é o sítio certo para ficar”, frisou à Lusa a mãe da menor, a quem uma junta médica da Sub-região de Saúde de Santarém atestou ter 95 por cento de deficiência. Os pais e encarregados de educação da menor contestaram, em carta enviada à tutela, à Câmara Municipal de Santarém e à Assembleia da República, a transferência da menor da APPACDM de Vale de Santarém para o Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano, em Santarém, no próximo ano lectivo. Na missiva, a família considera que a menor “não beneficiará, a qualquer nível, com a frequência de um estabelecimento de ensino comum”, descrevendo que a menor “não fala” e “tem défice auditivo e visual”, “tem um atraso mental, ao nível da compreensão, equivalente a um bebé de meses”, que “sendo alimentada por sonda gástrica necessita de uma alimentação especifica, que lhe seja administrada por alguém devidamente habilitada”, e “não controla os esfíncteres necessitando de fralda e que lhe seja mudada regularmente”. “Não controla qualquer músculo do seu corpo, ou seja, não anda, não se senta, não segura a cabeça e não consegue segurar qualquer tipo de objecto (…) e necessita de transporte adaptado para todas as suas deslocações e de apoio personalizado e especializado em todas as horas do dia e para todas as suas necessidade e actividades”, explicaram os pais, realçando tratar-se de “uma situação excepcional”. Em causa está um ofício da chefe de equipa multidisciplinar para a inclusão e o sucesso educativo da Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo (DRELVT) enviado a 03 de Julho ao Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano, a que a Lusa teve acesso, defendendo que “menina beneficiará, a todos os níveis, com a frequência de um estabelecimento de ensino comum”, realçando que o conselho executivo deverá “encontrar a resposta mais adequada às necessidades da aluna”. De acordo com a missiva da DRELVT, a menor seria integrada na “Unidade de Apoio Especializado para alunos com multideficiência e surdo-cegueira, a qual já tem de momento três alunos”, acrescentando que a escola poderia “contar com a colaboração da APPACDM de Santarém”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo