Sociedade | 26-07-2008 08:02

Rock com fins solidários numa aldeia ribatejana

Rock com fins solidários numa aldeia ribatejana
A pequena localidade de Sobral, freguesia de S.Vicente do Paul, começa a ganhar nome com a organização do festival de música punk, hard rock e electrónica, este ano com a actuação do conhecido grupo Mata Ratos de Lisboa, entre outras bandas do género oriundas do distrito de Santarém. a iniciativa realiza-se este sábado, 26 de Julho, e a organização prevê que afluam à pequena localidade mais de cinco centenas de pessoas para uma noite repleta de música.Mais uma vez a música vai soar em tons solidários e abraçar uma causa, como acontece desde 2006 quando decorreu a primeira edição do festival. Desta feita por causa de Diamantino, que tem problemas graves de saúde e vive em condições precárias. Mais conhecido por “Perdigoto”, não há na freguesia de São Vicente do Paul (Santarém) quem não conheça a triste realidade do habitante de Sobral, a quem este ano a organização do festival SobreirusFest vai doar os eventuais lucros. Apesar da maioria da população da freguesia de S.Vicente do Paul se situar acima dos 65 anos de idade, existe já quem se tenha tornado adepto da festa que traz centenas de jovens de todo o país. Rogério Duarte, proprietário do único estabelecimento comercial em Sobral e de um café, vê com bons olhos a iniciativa e confessa que lhe traz sempre algum lucro extra. Da mesma opinião partilha Eleutério Correia, habitante de Sobral, considerando que “traz dinâmica à terra e ocupação” para quem é da região ou tem familiares, aproveitando para vir visitar a terra.“No primeiro ano convidámos apenas bandas de garagem para actuarem no SobreirusFest, uma forma de motivar esses grupos que existem no distrito. O ano passado, convidámos outras bandas de Lisboa e tivemos uma grande afluência de público. Percebemos que o festival começa a despertar interesse regional e até nacional sendo nosso objectivo dar-lhe continuidade, melhorar de ano para ano a sua qualidade e porque não incluí-lo na rota dos festivais de música espalhados pelo país de norte a sul”, esclarece Paulo Costa. Atentos às necessidades da terra e população, procuram dentro do possível reverter os lucros em benefício da freguesia ou para causas ambientais. No primeiro ano o valor conseguido foi entregue à paróquia de Sobral. No ano seguinte plantaram dois sobreiros no recinto onde decorre o festival. “As causas que abraçamos têm servido de motivação para que algumas bandas de renome nacionais já nos tenham contactado e mostrem o seu interesse numa futura actuação no nosso festival”, explica o presidente da Sobreirus Festival Associação, uma associação sem fins lucrativos que para além de trazer música portuguesa ao interior, procura de igual forma abraçar causas sociais e ambientais.Sem grandes apoios, a organização do festival procura fazer chegar ao maior número de pessoas o evento. Uma verdadeira luta, sobretudo pela deficitária sinalização. “Temos conhecimento de que houve muita gente o ano passado que não conseguiu dar com isto, mas este ano vamos sinalizar melhor, utilizando placas maiores e também incluímos no site do festival o mapa com a localização e possíveis trajectos”, esclarece Paulo Costa.Mesmo assim, o ano passado rumaram até Sobral cerca de cinco centenas de pessoas, na sua maioria de fora do distrito, esperando-se que esse número seja excedido. “Este ano o festival está mais publicitado, investimos bastante na publicidade, com a distribuição de flyers e de cartazes pela região, para além de termos também construído dois espaços na Internet – www.sobreirus-festival.blogspot.com e myspace.com/sobreirusfest”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo