Sociedade | 04-05-2009 16:24

Quercus insiste na minimização de impactos da ponte a jusante de Abrantes

A Quercus defende a minimização de impactos ambientais na “travessia do Rio Tejo a jusante de Abrantes e na freguesia da Bemposta”, no âmbito do projecto de construção do troço do IC9 entre Abrantes e Ponte de Sor.Domingos Patacho, presidente do Núcleo Quercus do Ribatejo, disse à agência Lusa que, dos traçados propostos, “existe um que parece oferecer menos custos ambientais e uma menor fragmentação de áreas de montado de sobro e da charneca ribatejana”.“Consideramos pertinente a construção de uma nova travessia no local, mas devem ser minimizados os impactos ambientais, nomeadamente [quanto aos] sobreiros e também [salvaguardados] os vestígios arqueológicos detectados em Casal da Preta, em Abrantes”, acrescentou.“A nossa proposta é que o traçado siga a sul da Bemposta pela Estrada Nacional 2, até ao Domingão, em Ponte de Sor, por ser o menos impactante e que pode facilmente ser compensado com a plantação de novos sobreiros”, afirmou o dirigente ambientalista.O presidente da Câmara de Abrantes, Nelson de Carvalho (PS), disse à Lusa que a posição da Quercus “não é alarmante” e que “não existem impactos significativos ou um impacto que se diga que vai impedir de construir o que quer que seja”.Segundo o autarca, “esta é uma zona onde existem montados de sobro e a Quercus fez a sua avaliação sugerindo que a traçado do IC9 se faça por um dos troços que ainda estão em análise, em detrimento de outro”.“Mas as diferenças entre os vários troços a escolher são muito pequenas e não existe dado algum que coloque em causa o andamento do IC9”, afirmou o autarca.Nelson de Carvalho acrescentou que o Governo “vai receber uma síntese das participações [no âmbito do período de consulta pública do estudo prévio de impacto ambiental ao troço do IC) entre Abrantes e Ponte de Sor], de modo a que a Estradas de Portugal (EP) possa fazer o lançamento dos concursos necessários para encontrar a empresa que vai fazer o processo de execução e que vai construir a ponte sobre o Tejo”.“Este troço vai ser alvo de um aligeiramento temporal, uma vez que a empresa que fizer o projecto será a empresa que lançará a obra. Em 2010 a obra já deverá estar lançada, prevendo-se a sua conclusão para o ano 2012”, afirmou Nelson de Carvalho.“Em termos de acessibilidades, o novo troço do IC9 e a nova ponte sobre o Tejo configuram-se essenciais para a competitividade da fábrica da Mitsubishi”, sedeada em Tramagal, “e para todo o tecido industrial de Abrantes e da região”, acrescentou.No total, foram 12 os "contributos" externos apresentados no período de consulta pública, segundo fonte do Ministério do Ambiente.O traçado inclui a construção de uma nova ponte sobre o Tejo na zona de Tramagal, Abrantes.Até 14 de Julho deverá ser conhecida a posição do Ministério do Ambiente sobre a declaração de impacto ambiental.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo