Sociedade | 06-05-2009 08:32

Simulacro de sismo no bairro dos pescadores na Póvoa de Santa Iria

O simulacro do sismo no Bairro dos Pescadores, Póvoa de Santa Iria, começou ontem às 15h30 mas com um falso alarme e às 18h00 ainda estavam várias equipas de socorro à espera de ordens para iniciar as operações.Apesar de terem sido localizadas e socorridas quase de imediato, as vítimas daquele cenário tiveram de voltar para os destroços por ordem das autoridades coordenadoras.O comandante da Protecção Civil de Vila Franca de Xira, António Carvalho, responsável pelo simulacro desta zona, considerou, no entanto, que “as operações estão a correr bem, dentro do que estava planeado”.António Carvalho admitiu ainda que “houve uma falha de comunicação no início das operações” que terá sido resolvida com “a instalação de um satélite”.O Corpo de Intervenção e Segurança Pública chegou ao local com sete cães de resgate pouco depois das 17h30, mas uma hora depois ainda não tinham começado as buscas.O primeiro balanço da Protecção Civil de Vila Franca de Xira, feito às 18h30, dava conta de 250 desalojados, 46 feridos graves, 12 mortos e 40 edifícios destruídos.“Já há feridos resgatados, estão neste momento duas equipas quer no sector Alpha quer no sector Bravo a fazer evacuações primárias. Estão a ser montados os postos médicos avançados do INEM e da Cruz Vermelha”, afirmou o comandante António Carvalho às 18h30 quando fez o primeiro balanço das operações.Nesta altura, estavam a chegar ao teatro de operações equipas da Grécia e de Espanha. No local estavam também forças de várias corporações de bombeiros, Polícia Marítima, Fuzileiros, equipas de Emergência Médica e de Acção Social.Muitos dos elementos destas equipas estiveram pelo menos entre as 15h30 e as 18h30 sentados à espera de receberem ordens para iniciar os trabalhos de salvamento.Alguns moradores do Bairro dos Pescadores manifestaram-se contra a forma como os trabalhos estavam a ser dirigidos. Alfredo Fernandes considerou que o simulacro era “uma palhaçada porque é desperdiçar dinheiro”. Este morador do Bairro dos Pescadores criticou a falta de coordenação entre as equipas e a demora dos trabalhos de salvamento e buscas.Este exercício de sismo, que teve lugar numa zona de descampado, junto ao rio Tejo, numa área que já não é habitada, está enquadrado no "PTQUAKE09", o terceiro e último simulacro planeado pela Protecção Civil para validação do Plano Especial de Emergência de Risco Sísmico para a Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes (PEERS-AML), tendo os anteriores decorrido em Maio e Novembro de 2008.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo