Sociedade | 13-05-2009 21:11

Feira Nacional da Agricultura em Santarém reduz orçamento por causa da crise

A edição deste ano da Feira Nacional da Agricultura tem um orçamento 20 por cento inferior ao da edição de 2008,devido à crise, caindo de um milhão para 800 mil euros, mas a organização espera manter o número de visitantes. O secretário geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e administrador do Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA) de Santarém, onde vai decorrer a Feira, disse hoje que apesar da quebra do investimento na organização da feira, o número de expositores será semelhante.Num encontro com jornalistas para apresentar a Feira, Luís Mira referiu que foi possível captar novos expositores, compensando "alguns abandonos" de participantes habituais. "A grande incógnita" é o número de visitantes, admitiu a organização, que disse no entanto esperar manter as 120 mil visitas da edição anterior.Atendendo à situação de crise económica, que afecta o sector agrícola mas também os consumidores em geral, a feira apresenta um dia de entrada livre, a 08 de Junho, a que se junta a possibilidade de adquirir uma caderneta com 25 bilhetes a 2,5 euros cada um, sendo o preço da entrada avulsa de quatro euros.A Feira Nacional de Agricultura realiza-se entre 06 e 14 de Junho e conta com a presença do Presidente da República, Cavaco Silva, dia 09 de Junho.O presidente da CAP e do CNEMA, João Machado, especificou que, pela primeira vez, o primeiro-ministro não foi convidado, acrescentando que nas edições anteriores "nunca aceitou o convite". O ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, Jaime Silva, também não está na lista dos convidados.Um membro do governo, o ministro do Ambiente, Nunes Correia, deverá deslocar-se à Feira de Santarém para assinar um protocolo com a CAP para permitir às associações do sector agrícola "serem intervenientes no processo de legalização dos poços e furos de água", avançou Luís Mira.O tema central da Feira será a água, e o protocolo diz respeito à aplicação da taxa de recursos hídricos aos agricultores, situação que tem levantado várias dúvidas.Actualmente, somente 30 por cento dos produtores que utilizam rega estão referenciados, disse João Machado.Entre os vários eventos a decorrer na feira conta-se a apresentação das conclusões do Forúm da Água, que decorreu em Março em Istambul.A Feira Nacional da Agricultura volta também a apostar na divulgação dos produtos da terra e das tradições do mundo rural, acolhendo as comemorações nacionais do Dia de Portugal, 10 de Junho.O evento inclui ainda o segundo Salão Nacional da Alimentação, o terceiro Salão Nacional do Azeite e o Festival Nacional do Vinho.A Feira possibilita também aos visitantes o contacto com "um pouco do campo" ao ter pequenos espaços de cultura, por exemplo, de trigo e de girassol, além de vários animais.A diversidade de acções integradas na Feira abrange ainda a apresentação de uma inovação em termos tecnológicos, um tractor guiado por GPS, "tornando o cultivo mais eficiente", segundo o secretário-geral da CAP.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo