Sociedade | 19-05-2009 18:09

Morreu ciclista atropelado na ponte D. Luís

Morreu ciclista atropelado na ponte D. Luís
CLIQUE PARA VER VÍDEO: http://www.omirante.pt/omirantetv/O ciclista que na manhã desta terça-feira foi atropelado na Ponte D. Luís, entre Santarém e Almeirim, não resistiu aos ferimentos graves e morreu no Hospital de Santarém. Segundo o director clínico da unidade hospitalar, José Marouço, a vítima chegou às urgências estabilizado e com batimentos cardíacos mas já em situação de morte cerebral. Recorde-se que a vítima, de 62 anos, residente em Ribeira de Santarém, concelho de Santarém, foi atropelado por uma viatura conduzida por uma mulher, que sofreu ferimentos ligeiros e entrou em estado de choque, pelo que teve que ser assistida no hospital. O acidente ocorreu às 10h13.Eleva-se assim para três, os mortos em atropelamentos ocorridos na manhã deste dia 19 de Maio. Com estes casos sobe para 24 o número de mortos em acidentes no distrito de Santarém desde o início do ano e até ao momento. O mesmo que foi registado em 2008 em igual período.O primeiro acidente ocorreu cerca das 07h30 na Estrada Nacional 118, junto à Várzea de Benavente. Filipe Teles, de 82 anos de idade, agricultor reformado, residente no monte Cunha, próximo do local, sofreu lesões graves na cabeça, com perda de massa encefálica, e faleceu no local. Por volta das 10h00 uma mulher que atravessava a estrada entre S. Domingos e Fontainhas, por baixo do viaduto da circular urbana conhecida por Rua O, em Santarém, foi colhida por um automóvel e teve morte imediata. A vítima, de 73 anos, residente em Alcanede, concelho de Santarém, tinha ido às compras no hipermercado perto do local e regressava ao hospital onde a esperava familiares que tinham ido a uma consultaO chefe de gabinete do governador civil de Santarém considera grave o que se passou na manhã de terça-feira, apelando a condutores e peões para que tenham cautelas e respeitem as regras de trânsito. Carlos Catalão recorda que o governo civil tem vindo a sensibilizar para a necessidade de se diminuírem os mortos na estrada e alentando para a mudança de comportamentos. Perante estes três casos, realça que “apesar dos esforços, as pessoas continuam a ter atitudes de risco que são lamentáveis”. Referindo-se ao acidente na ponte D. Luís, que é atravessada diariamente por muitos ciclistas, Carlos Catalão diz que atendendo às condições da via não é possível criar mais condições de circulação para velocípedes. Por isso alerta para a necessidade de haver bom senso, cautela e respeito pelas regras de trânsito. Realçando que é imprescindível que os peões atravessem nas passadeiras e que os condutores não circulem a velocidades elevadas. “Se as pessoas não mudarem de atitude não tiverem um comportamento responsável não há prevenção nem campanhas de sensibilização que valham”, concluiu.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo