Sociedade | 30-01-2010 09:18

Director da PJ realça trabalho de recuperação de património

Almeida Rodrigues, que falava na abertura da exposição SOS Igreja, que vai estar patente no Convento de S. Francisco, em Santarém, até 14 de Março, disse que os elementos desta brigada da PJ são especialistas que conhecem a arte e os circuitos das transacções, assegurando que a polícia “vai onde é preciso” para recuperar os bens culturais portugueses.“Este é o único museu do Mundo que não quer ter mais peças”, disse Almeida Rodrigues, realçando a importância do trabalho de sensibilização que tem vindo a ser feito pela PJ, de que a exposição SOS Igreja é um exemplo, no entendimento de que a arte sacra só faz sentido quando está “no seu devido lugar”.O bispo de Santarém, D. Manuel Pelino, saudou o projecto promovido pelo Museu da PJ “Igreja Segura/Igreja Aberta”, a que a diocese de Santarém aderiu, como elemento essencial para que a arte existente nas igrejas “possa ser fruída e cumpra a sua função”.Realçando que “a liberdade só faz sentido se nos sentirmos seguros”, o presidente da Câmara Municipal de Santarém, Francisco Moita Flores, frisou a importância da salvaguarda e preservação da arte e dos monumentos, como elementos essenciais à memória colectiva.Moita Flores adiantou que o local que acolhe a exposição, a igreja do Convento de S. Francisco, também ele “roubado há 150 anos” à população e devolvido há alguns meses a Santarém, tem a “carga simbólica” que a mostra exige.Com recurso a meios multimédia, a exposição “SOS Igreja” é apresentada de forma inovadora, em sessões de 45 minutos que começam com uma cortina que se abre ao som de canto gregoriano para um espaço na penumbra onde uma voz off conta a história de cada uma das peças que vai sendo iluminada.Segue-se a encenação de alguns furtos, antes dos visitantes serem convidados a assistir a um filme que relata o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no âmbito do projecto “Igreja Segura/Igreja Aberta”, iniciado em 2003, que propõe medidas de protecção, escolhendo uma igreja piloto para servir de exemplo a seguir.A exposição termina com o exemplo da Diocese de Santarém, que implementou o projecto na Igreja da Piedade, uma intervenção que acabou por impulsionar uma acção mais ampla que visa abarcar as 111 paróquias da diocese.Leonor Sá, directora do Museu de Polícia Judiciária e comissária da exposição, realçou a forma “inteligente” como a Diocese e a Câmara de Santarém aproveitaram o projecto.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo