Sociedade | 02-09-2010 07:58

Ministro da Agricultura inaugura Banco Português de Germoplasma Animal

O ministro da Agricultura inaugurou quarta-feira o Banco Português de Germoplasma Animal (BPGA) nas instalações da antiga Estação Zootécnica Nacional, na Quinta da Fonte Boa, no Vale de Santarém.Neste espaço vai ficar preservado o património genético animal português de 46 raças autóctones nacionais, nomeadamente de bovinos, caprinos, ovinos, equídeos, suínos e aves (galinhas). Neste momento, já estão depositadas 200 mil doses de sémen animal, 350 embriões e 24 mil amostras de ADN, provenientes do espólio genético que estava à salvaguarda da Direcção Geral de Veterinária, em instalações na Amadora (Venda Nova). No futuro, o objectivo do Instituto Nacional dos Recursos Biológicos (INRB), que tutela este banco, em conjunto com a Direcção Geral de Veterinária, é o de promover a recolha de mais material genético e de fazer o seu estudo e selecção, referiu Luís Teles da Gama, um dos técnicos responsáveis pelo projecto. O ministro da Agricultura, António Serrano, salientou que o BPGA é “fundamental” para a investigação na área da genética animal e afirmou que “estas raças são determinantes para a nossa competitividade no contexto nacional e europeu”.“Se cuidarmos deste património e conseguirmos tornar estas raças economicamente mais viáveis nas explorações, podemos ter a acesso a um conjunto de mercados que valorizam a qualidade do produto”, referiu.O governante disse ainda que, se não houver mais investigação científica no setor agrícola, “muito dificilmente poderemos dar passos qualificativos de competitividade comparativamente com outros países europeus e mundiais”. “Acredito que a próxima Política Agrícola Comum vai valorizar muito esta área do património animal e vegetal de cada Estado membro”, acrescentou António Serrano. Para o ministro, o banco genético criado pelo Estado é também importante, porque permite “uniformizar, profissionalizar e qualificar a preservação do património animal português, de forma a que sirva a todos, especialmente a quem produz e se dedica à criação destas raças autóctones”.“A preservação das raças tem uma estrutura de custos que não pode ser suportada apenas por quem se dedica à produção de gado. Os laboratórios do ministério têm que trazer a investigação para o campo, porque os agricultores precisam dela para inovarem e reduzirem os seus custos de exploração”, sublinhou o ministro. Actualmente, segundo dados divulgados pelo INRB, existem 39 raças autóctones portuguesas em vias de extinção. Luís Teles Gama, do INRB, frisou que o BPGA “não pode ser apenas um cofre onde se guarda este património genético”. Segundo o técnico, “é necessário que seja feito um trabalho de selecção e expansão destas variedades” de raças autóctones e que se recolham amostras de outras raças que ainda não estão representadas.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Médio Tejo