Sociedade | 12-09-2010 00:09

Centro histórico de Abrantes transformou-se em "matraquilhódromo

A realização do “1.º Torneio de Matraquilhos de Abrantes” transformou sábado as praças centrais da cidade num enorme matraquilhódromo, em iniciativa promocional ao centro histórico e comércio tradicional. Organizado pela Câmara Municipal e Associação Centro Comercial de Ar Livre (ACCAL), com o objectivo de “dinamizar a vida pública e estimular a actividade empresarial” no centro urbano de Abrantes, a iniciativa acolheu mais de 70 jogadores de matraquilhos, em representação de 33 equipas provenientes de todo o país, que disputaram os prémios, em forma de vales de compras nas lojas do centro histórico.José Duarte, 52 anos, deslocou-se de Setúbal em representação da “Academia de Matraquilhos Fonte Luminosa” pelo “encontro de pessoas de todo o país”, que partilham o gosto pela modalidade, e “onde o convívio e a amizade é uma constante”.“Este tipo de iniciativa é importante para o desenvolvimento do matraquilho nacional, porque divulga uma modalidade que já não é só o pontapé para a frente, requer capacidade técnica, mestria táctica e muitos truques”, observou. Leandro Pires, 13 anos, deslocou-se de Mafra com um irmão mais velho para “fazer novas amizades” e “tentar conquistar” o troféu relativo ao primeiro lugar do torneio. “Queremos ganhar mas viemos na desportiva”, afirmou à Lusa o jovem, terceiro classificado no ranking nacional em dois anos consecutivos.O primeiro torneio de matraquilhos de Abrantes recebeu também a inscrição de muitas mulheres, umas pela primeira vez, outras já com experiência de competição nos respectivos campeonatos distritais.Cláudia Martins, de Carvalhal, Abrantes, disse que a modalidade “está catalogada com sendo um jogo para homens” tendo observado que, “aos poucos, as mulheres têm vindo a contrariar a ideia”.A competir no distrital de Santarém, em representação dos “Aventureiros Café”, Cláudia afirmou que a sua participação no torneio tinha por objectivo “dar a conhecer o Carvalhal, gostar dos matraquilhos e ajudar a impulsionar a modalidade para que mais mulheres adiram e participem futuramente”.Célia Bispo, de Abrantes, “uma estreante nas andanças” dos torneios de matraquilhos, disse que se inscreveu com uma amiga “pelos prémios aliciantes, que permitem fazer umas comprinhas” no comércio tradicional. “É um evento inovador, traz muita gente ao centro histórico de Abrantes e promove o comércio, com a oferta dos vales de compra”, acrescentou.Maria do Céu Albuquerque, presidente da Câmara de Abrantes e da ACCAL, “por inerência”, disse por sua vez que o objectivo da iniciativa, “a par de outras, é trazer os cidadãos ao centro histórico e promover o comércio tradicional”. “O objectivo foi alcançado pela curiosidade que despertou e pelo número de pessoas que se inscreveu e se deslocou para assistir” ao torneio.A iniciativa, que a autarca afirmou ser “para continuar”, visa “potenciar uma ocupação residencial, comercial e cultural” no centro tradicional de Abrantes, criando novas condições e factores de atractividade.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Médio Tejo